3 Razões Pelas Quais os Médicos Não Estão Prescrevendo PrEP para Aqueles Que Mais Precisam

This post is also available in: English

Dos estimados 1,23 milhões de americanos soronegativos que poderiam se beneficiar da profilaxia pré-exposição (PrEP) — medicamentos que previnem a transmissão do HIV em quase 100% — somente cerca de 80.000 pessoas (menos de 7%) receberam prescrições para os medicamentos da PrEP como o Truvada. O que está acontecendo?

O motivo principal das pessoas não estarem utilizando PrEP é que os médicos em geral não estão familiarizados com a droga, então eles a prescrevem menos do que deveriam. O desconhecimento decorre do fato de que antes de ser lançada em 2012, a PrEP era prescrita em sua maioria por especialistas em HIV. Atualmente, os EUA tem um número pequeno de especialistas em HIV (cerca de 1.713), e portanto esses especialistas acham que os generalistas deveriam prescrever PrEP. Paradoxalmente, os médicos generalistas acham que os especialistas em HIV é que deveriam receitar tais medicamentos. No final das contas, ninguém recebe a PrEP.

A razão secundária é ainda mais perturbadora: uma maioria de médicos em diversas pesquisas admitem que são menos propensos a prescrever PrEP se eles acharem que seus pacientes vão se tornar mais promíscuos, abandonar as camisinhas e aumentar suas chances de contrair DSTs. Além disso, a PrEP ainda é muito cara para algumas pessoas que não tem cobertura de certos programas de saúde ou seguro de saúde privado, apesar de que um fabricante de PrEP (Gilead) tem um programa de assistência de copagamento.

(imagem em destaque via Jasn)