Centro de Cidadania LGBT de São Paulo é vandalizado por criminosos homofóbicos

Centro de Cidadania LGBT de São Paulo é vandalizado por criminosos homofóbicos

Be first to like this.

O Centro de Cidadania LGBT Luiz Carlos Ruas, no centro de São Paulo criado para acolher e executar políticas públicas voltadas a população LGBT, foi vandalizado por criminosos motivados por homofobia no último domingo.

Cabos de computadores foram cortados, o chão foi urinado e defecado e documentos da secretaria municipal de Direitos Humanos e Cidadania foram rasgados e usados para limpar as fezes e a urina dos criminosos. Os funcionários do centro só souberam do ocorrido já no outro dia pela manhã, quando encontraram o centro totalmente destruído.

Apesar de a polícia ter sido acionada imediatamente, nenhum criminoso foi detido nem identificado ainda. Para os membros do centro, está mais que claro que o crime foi motivado por homofobia, visto que não há indícios de roubo, mas apenas vandalismo e tentativa de interrupção do trabalho desenvolvido.

“Quando os responsáveis pela invasão defecam em nosso espaço de trabalho e colocam as fezes no corredor, quando esses mesmos agressores – de posse dos prontuários de pessoas por nós atendidas – rasgam documentos e os utilizam para limpeza, demonstram o desprezo por tudo que estes papéis representam e atestam na defesa dos direitos humanos e na promoção da cidadania. Urinaram em vasos de flores e os deixaram na recepção. Destruíram e sujaram itens pelos quais não tinham interesse, apenas para destruir – cadeiras, gaveteiros, computadores, projetor. Todas as torneiras foram abertas, com o claro objetivo de alagarem a casa. Além disso, todos os cabos dos computadores e da rede de telefonia foram cortados, com a intenção de calar a voz e o trabalho em prol da comunidade LGBT”, diz a nota divulgada pelo Centro nas redes sociais.

Confira na rede social do Centro de Cidadania a nota completa publicada ontem.

As imagens são de um completo terror fascista e provam que a homofobia está presente no sentido de tentar apagar e frear o trabalho da comunidade LGBT.

Related Stories

2° Casamento Coletivo Igualitário de São Paulo, confira inscrições
Pinacoteca do Estado de São Paulo contrata seis pessoas trans para seu quadro
Dia da Visibilidade Trans terá mutirão de retificação de nome e gênero em São Paulo
Prefeitura de São Paulo fecha Centro de acolhimento a LGBTs
Quantcast