Copa 2018

Copa 2018 na Rússia: conheça detalhes sobre locais onde ser LGBT é perigoso e como viajar seguro

Como todos sabem, infelizmente ainda existem alguns países que são definitivamente perigosos e não aconselháveis para uma visita do Turista LGBT. Mas existem maneiras corretas em viajar com planejamento e muito conhecimento sobre os destinos que serão visitados e com a Copa 2018 chegando é bom estar ligado em algumas dicas.

Viajar para uma capital da Europa ou Estados Unidos é bem mais simples, afinal sua preocupação deverá estar em se divertir e aumentar sua cultura, não com sua segurança física.  Mas também requer alguns pontos como período do ano, qual o seu orçamento, o que deseja conhecer daquele local como festas, parques, eventos, museus etc.

 

LEIA TAMBÉM | gays que amam futebol poderão levar bandeira LGBT para Copa da Rússia

 

Mas voltando aos países com regras internas mais complexas para um turista LGBT, divido minhas experiências sobre o Egito, Rússia e Emirados Árabes Unidos, para onde fui e voltei sem nenhum problema com polícia, mas cheio de novidades e novos conhecimentos.

Para o Egito, fomos a um cruzeiro fretado que parou em Alexandria e na noite anterior, todos a bordo foram reunidos no teatro do navio para uma “palestra informativa” sobre como se comportar nos passeios que faríamos. A principal preocupação foi com o respeito à religião do país e também ao fato de que iríamos desembarcar num dia de Ramadã, dia sagrado no calendário islâmico, durante o qual os muçulmanos devem jejuar do levantar ao pôr do sol.

Pediram-nos para sermos discretos com as roupas, sem muita ‘frescura’, mas sem shorts ou camisetas justas. Levar um boné ou chapéu e ser muito respeitoso com todos. Visitamos as Pirâmides os mais de 2 mil turistas, gays em sua grande maioria, foram recebidos com uma festa, sem nenhum rapto ou contratempo.

Sobre a Rússia, a história do país é muito desafiadora, muito triste em várias passagens, mas com grandes vitórias e construções maravilhosas para visitar e curtir. A comida é deliciosa, o idioma complicado e só os jovens falam inglês. E como turista gay, fomos num grupo de amigos para São Petersburgo, cidade que podemos dizer ser a soma de Paris e Veneza. É lindo, não perca se lhe aparecer uma oportunidade. Se vai assistir á Copa 2018, é bom se inteirar sobre as leis anti-LGBT que estão rolando por lá.

O cruzeiro fez uma festa na única discoteca gay da cidade e foi um sucesso. Todos voltaram ao navio e deu tudo certo com seus visitantes. Alguns americanos não desceram do navio, pois não queriam deixar seu dinheiro num país ‘homofóbico’.

Dubai e Abu Dhabi entraram de vez como destinos para brasileiros e com grande sucesso. São cidades incríveis com seus maravilhosos edifícios modernos, altíssimos, contraste incrível com o deserto ao seu redor. Aqui os turistas são muito bem tratados e respeitados. Se você não andar nas ruas de mãos dadas, braços no ombro, roupas inadequadas, posso garantir que terá uma visita maravilhosa. Notei vários casais de gays e amigos em Dubai se divertindo nos belíssimos hotéis e sem problemas absurdos como imaginamos.

Viajar é fundamental, mas ser LGBT em alguns lugares do mundo não é tão seguro. Tem alguma dica sobre viagens e sobre procedimentos de segurança? Conta pra gente nos comentários.

Clóvis Casemiro

Clovis Casemiro é coordenador da IGLTA no Brasil e agora é colaborador do Hornet Brasil na área de turismo LGBT.