Estudo descobre relação entre o formato do pênis e risco de câncer

O site IFLSCIENCE publicou ontem um artigo sobre a descoberta que associa e a doença de Peyronie que é causada por um acúmulo de tecido cicatricial no pênis um tipo de câncer. Sobre a doença, a medida que o tecido cicatricial (placa) se acumula, faz com que o pênis se dobre, o que pode resultar em ereções dolorosas e tornar o sexo difícil ou impossível.

O estudo do Baylor College of Medicine no Texas analisou dados de 1,5 milhão de homens. Eles descobriram que as pessoas com um pênis curvado tiveram uma chance significativamente maior de desenvolver vários tipos de câncer.

O estudo apresentado na Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva descobriu que as pessoas com fibrose peniana (também conhecida como doença de Peyronie) tinham um risco 40 por cento maior de desenvolver câncer testicular e câncer de estômago, bem como um aumento de 29 por cento em chance de desenvolvimento de câncer de pele.

Acredita-se que a doença de Peyronie afeta entre 0,5 e 13% dos homens nos Estados Unidos, embora muitas pessoas não tenham conhecimento de que eles têm a condição, de acordo com o Departamento de Urologia da Weill Cornell Medicine. A equipe do Baylor College disse que os homens com a condição devem ser monitorados para câncer devido ao seu maior risco.

Os pesquisadores, liderados pelo Dr. Alexander Pastuszak, também realizaram uma análise genética de um paciente e seu pai – ambos com fibrose peniana – e descobriram que ambos tinham genes que os colocavam em risco de câncer de melanoma, testicular e próstata e que pode haver uma ligação genética entre a doença de Peyronie e alguns tipos de câncer nos homens.

“Nós acreditamos que isso é importante porque essas condições são largamente aceitas e, enquanto elas são significativas no ciclo de vida sexual e reprodutiva desses pacientes, relacioná-las com esses outros transtornos sugerem que esses homens devem ser monitorados para o desenvolvimento desses distúrbios”, ele disse a conferência, conforme relatado pela MDLinx.

No momento, no entanto, é difícil estimar o número exato de pessoas que têm a condição. Em um estudo anterior sobre pessoas com Peyronie, pesquisadores da Universidade de Istambul sugeriram que a doença de Peyronie poderia afetar uma maior proporção de homens do que acreditava, mas que um número preciso é difícil de encontrar “por causa da relutância dos pacientes em relatar esta condição embaraçosa para seus médicos”.

 

Tá na hora de perder a vergonha e falar abertamente sobre os problemas do seu pênis com o médico, não é?!