Novo som da Miley Cyrus: menos Compton, mais Malibu

This post is also available in: English Español

Miley Cyrus está pendurando as chuteiras do twerk. Em seu retorno com o single “Malibu”, a cantora é vista rolando nas praias de areia do paraíso californiano em vez de rolar em uma festinha na casa de amigos em Richland Farms.

Essa onda é passageira. Em uma última entrevista para a Billboard, Cyrus respondeu que está deixando para trás o hip-hop, mesmo que ela ainda ame Kendrick Lamar.

“Mas eu também adoro essa nova canção de Kendrick [“Humble”]:”Mostre-me algo natural como uma bunda com algumas estrias “. Eu amo isso porque não é “Venha sentar no meu pau, chupar o meu pau.” Eu não posso ouvir mais isso. Isso é o que me afastou um pouco da cena do hip-hop. Foi muito “Lamborghini, tenho o meu Rolex, tem uma menina no meu pau” – Eu não sou assim.”

Cyrus continua a falar sobre como a política afeta seu trabalho, dizendo que não quer que sua política seja a única coisa pela qual ela é conhecida. “Eu estava dividida entre trabalhar com certos produtores que eu realmente gosto, mas eu sinto que não estamos na mesma página politicamente … Meu disco é político, mas não é apenas isso”.

“Porque você pode escrever algo bonito e você sabe que o E! Notícias vai arruinar nossas vidas e dizer:”Este é um disco político.” Porque então eu sou o Dixie Chicks e terei meu álbum esmagado nas ruas, e isso não é o que eu quero, quero falar com as pessoas com compaixão e compreensão – o que as pessoas não estão fazendo”.

Deixem o Dixie Chicks fora disso!

Cyrus tentou esclarecer sua declaração em um post do Instagram. Na legenda, ela ressalta a natureza das entrevistas dizendo: “Quando os artigos são lidos, nem sempre se considera que por horas falei com um jornalista sobre minha vida, meu coração, minha perspectiva naquela época e os próximos passos da minha carreira. Infelizmente, apenas uma parte dessa entrevista faz com que ela seja impressa, e muitas publicações gostam de se concentrar na parte mais sensacionalista da conversa.”

Independentemente disso, alguns dizem que o hip-hop não vai sentir falta dela.

Em um artigo intitulado “Querida Miley Cyrus: a cultura Hip-Hop nunca precisou de você e não vai sentir sua falta”, Preston Mitchum do The Root writes:

Artistas brancos como Cyrus tratam o hip-hop e a arte negra como um item de roupa, algo para lançar uma vez que foi usado demais. Ela e outros artistas como Justin Timberlake, Taylor Swift e Katy Perry fazem dinheiro suficiente nas costas dos negros, e então tentam evoluir para versões mais tranquilas, serenas e tranquilas de si mesmos.

Eles “frequentam as favelas” com o “pretos”, em seguida, voltam todos limpos para a casa grande com a mamãe e papai. Todo o tempo, os povos negros são prejudicados, mas os brancos que causaram esse dano não assumem nenhuma responsabilidade.

Agora que o noivo de Cyrus, Liam Hemsworth, está de volta a sua vida, ela não precisa mais do hip-hop para torná-la popular. Isso não é evolução; é a manipulação capitalista supremacista branca. Felizmente, para a maioria da América negra, sabíamos que nunca precisávamos dela, de seu tom áspero, de sua dança não-rítmica ou de seu twerk fajuto. Tchau, Miley.