mans zelmerlow, eurovision
mans zelmerlow, eurovision

Você Precisa Conhecer: Måns Zelmerlöw

This post is also available in: English Español Français Deutsch Русский

O festival anual de breguice que é o Eurovision terminou. A maior parte dos Estados Unidos não assiste, ou nem sabe que existe, essa competição de canto pan-europeia, que existe desde os anos ‘60. Tentando explicar para aqueles que não conhecem, eu geralmente chamo de a versão mais velha, tio-bêbado do American Idol, onde nações europeias mandam o que tem de melhor e/ou o que tem de mais exorbitante para competir pela chance de ganhar nada, exceto exposição e um troféu em formato de microfone que parece ser bem vagabundo. Além disso, tem algo ridiculamente irônico sobre a competição e que por qualquer razão não é entendido do outro lado do Atlântico.
Mas na Europa, é o evento não-esportivo mais visto do ano. Contribuindo para o drama, cerca de metade dos países levam a sério, enquanto a outra metade ou mandam bandas que já deram o que tinham que dar (Katrina and the Waves, pelo Reino Unido, em 1997) ou artistas que quase que propositalmente escolhidos para causarem uma comoção (a banda de heavy metal, Lordi, pela Finlândia, em 2006). Por causa disso (ou talvez, apesar disso?), a competição tem um histórico fraco em revelar superstars globais, com ABBA e Celine Dion sendo as exceções notáveis à regra.
A ganhadora do ano passado, Conchita Wurst, a drag queen barbada da Áustria, é talvez o melhor exemplo disso, porque a sua carreira de cantora deixa a desejar em comparação ao seu papel de ativista LGBT. Mas isso tudo poderia mudar com o ganhador desse ano, o sueco Måns Zelmerlöw. SwedishIdol
Zelmerlöw foi revelado ao público na temporada de 2005 do Swedish Idol. Ele terminou apenas em quinto, e isso poderia ter sido o fim da sua história (a ganhadora dessa temporada, Agnes Carlsson, teve uma carreira modesta na Europa, e conseguiu um hit dance, “Release Me“, nos EUA). Mas ele participou e ganhou o Let’s Dance na Suécia, uma competição de dança com celebridades, em 2006, que o fez ganhar outro público. Vários trabalhos como apresentador e um papel na versão sueca de Grease ajudou a fazer dele um nome de peso no seu país natal.
Mas Zelmerlöw tinha negócios em aberto com o mundo dos reality shows de canto. Ele participou das audições para o Melodifestivalen, que funciona como a classificatória da Suécia para o Eurovision, três vezes. Ele perdeu em 2007 e 2009, mas na terceira vez ele deu sorte, e finalmente ganhou em 2015, com “Heroes”.
Heroes não é uma música inovadora: soa como a filha bastarda de “Lovers on the Sun” do David Guetta e qualquer dos maiores sucessos do também sueco Avicii. Além disso, não é nem a melhor “Heroes” cantada por um artista sueco do ano passado: Esse prêmio iria para a música do Alesso/Tove Lo que virou um hit dance no fim de 2014. Mas incrementado por um show de efeitos especiais incríveis (dá uma olhada no soquinho em 1:53!) e o carisma natural do Zelmerlöw, a música rapidamente virou uma favorita nas apostas para ganhar o Eurovision:
E assim o fez: Zelmerlöw passou pela fase da semi-final com tranquilidade decisiva, e então passou com tudo pela final com a terceira maior pontuação total (365) nos quase 60 anos de história do programa. Foi uma vitória convincente e bem merecida para a Suécia.
Mas como os ganhadores passados podem te falar, ganhar o Eurovision não é um passagem só de ida para a fama e fortuna: Alexander Rybak ganhou em 2009, para a Noruega, com a maior pontuação da história (387), mas teve apenas uma carreira curta que foi no geral se conteve na Escandinávia. De fato, a maior parte das celebridades do Eurovision são esquecidas em alguns anos.
Então o que diferencia Zelmerlöw? Para começar, ele é ridiculamente gato. Nunca é demais ser bonito na música pop, e suecos são conhecidos pela sua beleza. Até uma olhadinha básica pelo Instagram dele vai confirmar que Zelmerlöw é um adorável “cara-comum” gostoso. Ele até namorou uma das garotas do A*Teens; se eles tivessem ficados juntos, os filhos deles teriam sido os seres humanos mais bonitos, da história.

God morgon.

A post shared by Måns Zelmerlöw (@manszelmerlow) on

Zelmerlöw também tem um dom natural para as suas performances. Além do Eurovision, Swedish Idol, e Let’s Dance, ele tem uma notável história como apresentador de televisão na Suécia. Um dos seus melhores momentos como apresentador foi no QX Gay Gala de 2014, onde ele cantou uma versão sueca da música “In The Navy” do The Village People para ridicularizar o recente posicionamento homofóbico da Rússia, assim como se balançar pelado em uma “wrecking ball”, a lá Miley Cyrus. Zelmerlöw não é nada tímido!
Mas o mais importante, Zelmerlöw está em um ponto crucial da sua carreira. Já com três álbuns lançados (e dois álbuns de Natal) na Suécia, ele está pronto para se ramificar para um mercado internacional. Tem um desejo, uma ambição nele que pode lança-lo ao super estrelato. Eurovision, com todos seus defeitos, tem uma audiência enorme, e pode servir como o lançamento perfeito para o próximo passo da carreira dele.
E se os sucessos antigos dele servirem como indício, ele deve se sair bem, pelo menos na Europa, e possivelmente no Oriente. A maior parte do trabalho do início da carreira soa como uma música do Enrique Iglesias; isso não é uma coincidência, já que Iglesias é uma influência reconhecida pelo Zelmerlöw. Zelmerlöw já foi inclusive comparado visualmente como o galã espanhol, e ele cantou duas das músicas dele durante sua passagem pelo Swedish Idol. “Cara Mia” é o exemplo mais óbvio do “efeito Iglesias”: Lançado como seu primeiro single, em 2007, soa como o tipo de produção europeia de dance-pop que Iglesias fez tão bem na virada do milênio.
Um grande sucesso na Suécia (quatro semanas em #1), teria dominado a Europa se a gravadora tivesse lançado por todo o continente. Na verdade, a Warner Music Sweden seria esperta em re-lançar todos os álbuns dele agora para capitalizar sobre o crescimento na popularidade de Zelmerlöw. Infelizmente, nenhum dos álbuns dele está disponível nos USA; “Heroes” está disponível no iTunes, assim como o seu terceiro single, “Miss America“. E tentar importar os álbuns é frustrante: Uma cópia usada do seu primeiro álbum está sendo vendido por $65 no Amazon. Mas não surpreende que Zelmerlöw tem um novo álbum, Perfectly Damaged, lançado em 5 de Junho com “Heroes” como o primeiro single, e cópias importadas devem ser fáceis de se conseguir.

O timing obviamente não poderia ser melhor, porque Zelmerlöw está em alta devido a sua vitória no Eurovision. E assim, o álbum tem o potencial de ser um grande sucesso do verão por toda Europa (também, é importante ressaltar que ele tá muito gato na capa do álbum!). Então de um jeito de arranjar uma cópia, porque Måns Zelmerlöw está prestes a virar uma grande estrela. Eurovision, dessa vez vocês escolheram um ganhador!
(Visited 19 times, 1 visits today)

Comments are closed.