YouTube Afirma que Removeu a Censura do Conteúdo LGBTQ

YouTube Afirma que Removeu a Censura do Conteúdo LGBTQ

Be first to like this.

This post is also available in: English Español Français

O YouTube anunciou que “consertou” sua prática de filtrar vídeos com conteúdo LGBTQ no seu modo restrito.

The Daily Beast informou que na sexta-feira, a vice-presidente de gerenciamento de produtos do YouTube Johanna Wright anunciou que os engenheiros “consertaram o problema” do Modo Restrito, uma ferramenta do YouTube que esconde conteúdo adulto de usuários mais jovens. O YouTube afirmou que “mais 12 milhões de vídeos de todos os tipos — incluindo centenas de milhares com conteúdo LGBTQ+ — estão [agora] disponíveis no Modo Restrito.”

Wright continuou, “Queremos esclarecer que o Modo Restrito não deveria filtrar conteúdo que pertença a indivíduos ou grupos baseados em certos atributos como gênero, identidade de gênero, pontos de vista políticos, raça, religião ou orientação sexual.”

Em março, os vloggers notaram que o YouTube estava escondendo vídeos com conteúdo LGBTQ no Modo Restrito, impedindo que jovens assistissem. No entanto, o website não estava escondendo apenas vídeos sexuais — estava automaticamente escondendo vídeos com tags com termos LGBTQ como “gay,” “queer” ou “trans,” mesmo se não tivesse nada explícito neles. (Porém, o YouTube deixou muitos vídeos de nacionalismo branco sem censura.)

É compreensível que um site de compartilhamento de vídeos restrinja conteúdo, até certo ponto. Muitas empresas não querem ser associadas a discursos de ódio ou gore extremo.

Mas restringir conteúdo LGBTQ pela faixa etária pode afetar os jovens que estão tentando entender quem eles são.

Conforme a youtuber Rowan Ellis afirmou:

Um dos principais problemas com isso é que os jovens queers não podem receber apoio. Eles não podem receber apoio porque ele tem que vir de queers mais velhos ou adultos. E é visto como inapropriado ter jovens queers e  adultos queers no mesmo espaço apesar desses espaços na comunidade serem necessários para esses jovens. Essa é uma identidade marginalizada que muitas vezes não tem laços na própria família. Isso é algo que você descobre isoladamente e sozinho quando você não tem esse tipo de relacionamento LGBT intergeracional que pode ser formado.

 

(Imagem em destaque via YouTube)

 

Traduzido por Rafael Lessa.

Related Stories

Grupo cristão envia 25.000 DVDs a escolas para atacar a “ideologia trans”
Todo padrãozinho é Chernobyl? Se liga na lista de 6 boys que podemos amar
YouTuber marca encontro pelo app e leva soco, assista o relato
The Boys In The Band | Jim Parsons fala como foi estar em elenco só de atores gays
Quantcast