ESTUDO: Os Genes Influenciam Em Quando Você Vai Transar Pela Primeira Vez

This post is also available in: English

Porque estamos cobrindo isso: Estamos sempre obcecados com pesquisas sexuais (caso você não tenha notado), em parte porque normalmente acabam com as ideias tradicionais conservadoras que temos sobre a sexualidade humana.

Pesquisadores em Cambridge, Boston e Reykjavik descobriram 38 locais no genoma humano que influenciam a idade que as pessoas perdem a virgindade. Os locais afetam vários fatores como início precoce da puberdade, quando os hormônios sexuais são liberados, a propensão da pessoa para assumir riscos, irritabilidade, nervosismo e outros fatores de “personalidade e aparência" que determinam o quanto você é transável (apesar desse termo não ser científico). Os pesquisadores publicaram suas descobertas na revista científica Nature Genetics.

Pesquisadores analisaram o DNA de mais de 125.000 de pessoas inscritas no projeto UK BioBank — um enorme repositório de genética humana e outras informações de saúde. Os pesquisadores compararam as suas descobertas com as informações de mais 250.000 pessoas da Islândia e dos EUA.

Eles concluíram que a genética é responsável por 25% da decisão de transar pela primeira vez; o resto é determinado pela educação, incluindo o histórico familiar, o grupo de amigos, crenças religiosas e disponibilidade de parceiros sexuais e local.

O The Guardian explica melhor:

George Davey Smith, um epidemiologista clínico na  Bristol University, afirmou que: “[A pesquisa] sugere que a puberdade mais precoce influencia o início da atividade sexual precoce, o que então parece ter outras consequências como, sob as mesmas circunstâncias, primeira gravidez mais cedo, ter mais filhos, menos provável de não ter filho e uma pior educação.” Apesar da puberdade precoce ter sido associada anteriormente ao desempenho escolar ruim, ele alega que o estudo mais recente reforçou a evidência de que a puberdade precoce era uma causa, e não apenas um reflexo de fatores subjacentes, como a classe social.

É interessante e perturbador pensar que a genética tem um papel ativo em determinar a classe e riqueza de alguém — é muito Gattaca. Mas não é de se admirar que as pessoas que são capazes de ter filhos às vezes os tem antes de suas mentes compreenderem plenamente o investimento por toda uma vida que isso exige.