Alunos LGBTI
Alunos LGBTI

Alunos LGBTI poderão ser recusados em escolas australianas

Alunos LGBTI poderão ter suas matrículas recusadas em escolas religiosas na Austrália. Uma proposta em estudo pelo governo do país está prestes a dar o direito às escolas de recusar alunos, professores e funcionários LGBTI de acordo com as convicções religiosas da instituição. O projeto vem causando polêmica no país oceânico segundo informações da BBC.

Caso seja aprovada, a legislação permite que os colégios possam selecionar os estudantes e funcionários com base na orientação sexual e na identidade de gênero e faz parte da revisão das leis de liberdade religiosa que está sendo empregada na atual gestão. Apesar de alguns estados já permitirem a medida, a mesma pode ser estendida para todo o território australiano. As escolas teriam que divulgar os critérios para contratar funcionários e aceitar matrícula de estudantes LGBT.

Considerado membro da ala conservadora, o primeiro ministro do país Scott Morrison afirmou que está analisando cada proposta do relatório de revisão da legislação considerada cuidadosamente e respeitosamente.

A Fairfax Media, um dos principais grupos de comunicação da Austrália, teve acesso à cópia do relatório, que foi produzido depois que o país decidiu legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo no ano passado. A organização também diz que permitir que escolas do país autorizem a rejeitar alunos pela opção sexual poderia “interferir em outros direitos humanos”, além de concluir que não há indícios que a liberdade religiosa esteja ameaçada.

“Há uma grande variedade de escolas religiosas na Austrália e, para algumas comunidades escolares, cultivar um ambiente e um ethos que estejam de acordo com suas crenças religiosas é de suma importância”, diz o documento.

Um grande retrocesso em um país que recentemente ganhou o direito do casamento igualitário.