Atleta bissexual afirma que “colegas se recusam a dar aperto de mão” após sair do armário

Atleta bissexual afirma que “colegas se recusam a dar aperto de mão” após sair do armário

Be first to like this.

Atleta bissexual Jake Woolley afirma que, desde que assumiu sua bissexualidade, vem passando por momentos difíceis. Segundo o jovem de 21 anos, alguns atletas recusam até apertar a sua mão durante os eventos esportivos.

Em entrevista ao extra.ie, o atleta, de 21 anos, que competiu pela Irlanda nas Olímpiadas de Taekwondo e representará o país nos Jogos Olímpicos de 2020, diz que lamenta a forma com que sua atitude foi recepcionada. “Alguns oponentes deixaram de me dar aperto de mão e só pensei: ‘Eu preciso me defender!’. De outro lado, outros vieram até mim para me parabenizar. A maioria das pessoas não se importa, mas se alguém tiver um problema comigo, por isso, eu passarei a ter também”, relata o praticante de Taekwondo que se tornou o primeiro atleta da Irlanda a competir nas Olimpíadas pelo país na modalidade.

Jake em campeonato em 2016

“Quero ser o primeiro atleta irlandês a se destacar no meu esporte: o garoto de Tallaght que foi às Olimpíadas – não Jack, o ‘atleta gay’. As pessoas assumem muitas coisas sobre você quando se é rotulado”, continuou. Apesar da negativa que tem recebido, Jack espera que sua atitude ajude jovens LGBTs. “Talvez minha decisão possa ser boa por inspirar outros jovens. Se alguém quiser falar comigo sobre o que está passando, vai ser ótimo se eu puder ajudar”.

Related Stories

Supergonorreia: casos crescentes da IST preocupam especialistas em saúde
Quando fantasias sexuais problemáticas param de ser inofensivas?
Novo estudo sugere que “muito” sexo oral pode causar câncer
Ludmilla faz post contra lockdown, apaga e tenta se explicar
Quantcast