Quantcast
Bandeira arco-íris está dividindo a comunidade LGBTI, entenda o porquê Arte

Bandeira arco-íris está dividindo a comunidade LGBTI, entenda o porquê

Written by Marcio Rolim on February 05, 2019

Bandeira arco-íris está dividindo a comunidade LGBTI. O Manchester Pride adotou uma nova bandeira e as pessoas não estão felizes. A icônica bandeira do arco-íris ajudou a definir o movimento moderno do Orgulho, mas agora uma variação do design está dividindo as pessoas.

A história da bandeira do arco-íris pelo site Culture Trip

A bandeira do arco-íris, também conhecida como a bandeira do orgulho, é sinônimo da comunidade LGBTQ em todo o mundo.
Originalmente criada em 1978 pelo artista de San Francisco Gilbert Baker como parte de um coletivo, tornou-se um símbolo de esperança, bem como um atalho cultural para representar todas as coisas LGBTQ. Em 2019, o Manchester Pride anunciou que estaria adotando uma nova iteração da famosa bandeira como parte de mudanças mais amplas em suas comemorações anuais. Esta nova versão, originalmente criada em 2017, inclui listras pretas e marrons para melhor reconhecer as pessoas LGBTQ BAME (negras, asiáticas e minorias étnicas).

Refletindo a diversidade da comunidade LGBT

No início, a bandeira apresentava oito cores diferentes. Baker pretendia que elas “refletissem a diversidade da comunidade LGBT”. As cores originais eram vermelhas para representar a vida, laranja para a cura, amarelo para a luz solar, verde para a natureza, índigo para serenidade, violeta para espírito – mas rosa quente (representando sexo) e turquesa (para magia e arte) foram removidas devido à dificuldade com fabricação na época. Indigo e turquesa foram posteriormente fundidos para se tornarem azul royal – completando a versão tradicional de seis faixas que se tornou comum desde 1979.

É essa interpretação original – que tinha a intenção de incluir todos, independentemente de raça ou sexo – o que deixou as pessoas questionando a decisão, pois em nenhum momento as cores representavam a cor da pele. O projeto atualmente vem causando controvérsia em alguns bairros foi adotado pela cidade de Filadélfia em 2017 como parte da campanha More Color More Pride. Um amigo de Baker, Charley Beal, que disse à NBC: “As listras não foram escolhidas para a cor da pele – elas foram escolhidas. para refletir o espectro de cores na natureza”.

Bandeira arco-íris
Criador da bandeira, Gilbert Baker, na parada de Estocolmo em 2003 | Foto por Fredrik Persson/EPA/REX/Shutterstock

Uma variação anterior incluía uma faixa preta para aqueles que perderam parentes para a AIDS, e em 2018 o designer Daniel Quasar atualizou a versão da Filadélfia para destacar direitos e questões trans. Nesta versão, o desenho de seis listras permanece, mas tem uma divisa, incluindo cores adicionadas como uma seta que “aponta para a direita para mostrar o movimento para a frente.

A mudança do Manchester Pride – o primeiro orgulho do Reino Unido a usar a bandeira – foi bem recebida por muitos, com muitos outros comentaristas online apontando que a bandeira nunca teve a intenção de ser sobre raça. O executivo-chefe Mark Fletcher respondeu aos comentários: “O orgulho é para todos e queremos celebrar as diferenças e essa foi a nossa maneira de fazê-lo. Espero que aqueles que ainda não enxergam a necessidade entendam nossas razões para fazer essa mudança e crescerem para amar”.

A bandeira do Orgulho, como a comunidade LGBT, continuará a evoluir. É algo que o criador original da bandeira, Baker, estava muito consciente. “Não se trata de mudar ou mover o tecido, ou as cores, é sobre o significado e as interpretações dele que estão mudando e evoluindo”, disse ele ao editor da Indy, Ryan John Butcher, em 2016. “Quando eu fiz a bandeira do arco-íris em 1978, era uma bandeira de libertação gay. No ano seguinte, em 1979, era uma bandeira de libertação lésbica. E então se tornou algo para bissexualidade e transexualidade. Isso reflete como mudamos e como continuamos mudando – e, portanto, prometi fazer parte disso e ouvir as histórias do mundo sobre as pessoas sobre o que isso significa para elas e como elas estão usando isto. Fico feliz em ver como as pessoas incorporaram isso em suas próprias vidas e comunidades”.