O carnaval mais LGBT de todos os tempos trouxe ativismo e inclusão

This post is also available in: English

O carnaval de 2018 foi um marco para os foliões LGBT que contaram com 37 blocos de rua na cidade de São Paulo e o Hornet apoiou 3 deles: Bloco Lunática, GaymadaSP e Domingo Ela Não Vai. No ano passado foram 26 blocos LGBT, ou seja, um crescimento de quase 50% na presença de artistas e de gente que fez a festa levantando a bandeira do arco-íris.

 

O bloco GaymadaSP não apenas levantou a galera, mas também promoveu um discurso político muito forte, centrado na igualdade, na inclusão e na ocupação do espaço público para formar redes e conexões entre a população que deve percorrer junta pela igualdade de direitos.

 

Seguindo com glamour, teve diva drag cima dos trios e dos carros alegóricos no desfile das escolas de samba do Rio. Pablo Vittar estreou no carnaval celebrando o sucesso de 2017 e prometendo muito mais em 2018. A drag arrasou como destaque em um dos carros da Beija-Flor, escola de samba venceu o carnaval do Rio de Janeiro.

pabllo vittar

 

Gretchen foi escolhida para ser rainha do bloco Agrada Gregos, no Ibirapuera, São Paulo. E não poderia faltar referência aos memes da comunidade LGBT nas redes sociais. “Eu sou a rainha da internet”, afirmou a atriz e cantora em cima do trio. Recentemente, ela foi estrela do clipe de “Swish Swish” de Katy Perry.

gretchen

 

Rouge, banda que marcou a adolescência de muitos meninos e meninas há 15 anos, fez um retorno emblemático no carnaval 2018. No domingo (11), as garotas cantaram no bloco Chá do Rouge os hits atemporais, junto do mais novo “Bailando”. Elas lotaram a 23 de Maio junto de outros grandes blocos, como o Domingo Ela Não Vai, reunindo 1,2 milhão de pessoas. Para entrar ainda mais no clima LGBT, elas vestiram as cores do arco-íris, cada uma com uma cor diferente.

 

Neste ano, os sambódromos foram marcados por suas homenagens à comunidade LGBT. Em São Paulo, a bateria da Mocidade Camisa Verde e Branco teve Camila Prins, uma mulher trans, como rainha. A Império de Casa Verde também trouxe à avenida cores da diversidade com a sua ala LGBT.

Já no Rio, quem marcou a Sapucaí na primeira noite de desfiles do Grupo Especial foi Silvero Pereira, o Nonato de “A Força do Querer”, que desfilou montado de drag na Mocidade Independente de Padre Miguel. No segundo dia de desfiles do grupo especial, a Salgueiro contou com uma musa trans, Kamilla Carvalho estreou como destaque da escola e veio no chão, sambando à frente de uma das alas da escola carioca.