Homens gays, como fazer amigos após os 40

Homens gays, como fazer amigos após os 40

Be first to like this.

Fazer amigo, em qualquer fase da vida, pode ão ser uma tarefa fácil para muitas pessoas, mais ainda para pessoas LGBT que têm que lidar com o preconceito e a homofobia desde cedo em casa, na escola, no trabalho e, quase sempre, na velhice, quando o corpo já não responde mais ás regras da beleza e do padrão.

Existem muitas razões pelas quais pessoas LGBTs se veem sem amigos a um dado momento da vida: término de uma longa relação abusiva em que os amigos não faziam parte, não aceitação dos amigos após ele ter saído do armário, excesso de trabalho ou atividades extras por não ter conseguido posicionamento social na juventude e muitos outros.

É importante entender que não há idade para recomeços e que todos os ambientes sociais de lazer, por exemplo, precisam ser amigáveis às pessoas mais velhas. os gostos musicais, culturais, de moda, de tendências, não são restritos às pessoas novas, bem como as interrelações. Portanto, se aproximar de círculos onde pessoas com a cabeça mais aberta frequentam é um bom começo.

No mais, todos queremos nos sentir jovens de dentro pra fora, todos queremos dar espaço aos nossos desejos e sanar nossas carências afetivas que vão além de sexo. A gente quer boa companhia, bom papo, ter com quem contar e poder ter um círculo de pessoas que possam estar presentes, dentro do tempo possível, nos eventos importantes de nossas vidas.

Enfim, “como fazer amigos após os 40” é uma reflexão sobre nossos vícios e sobre como o mundo nos aprisiona em questões as quais gastamos muito tempo lutando. Fazer amigos bons, reais e duradouros não é fácil. Temos que banis algumas amarras construídas ao longo da vida como egoísmo, individualidade e nos flexibilizar ao novo, ao agora. Porque o nosso tempo é o agora. O nosso tempo é o hoje. E o futuro depende diretamente dessa construção do que somos e fazemos no momento.

Marcio Rolim é editor de conteúdo do Hornet e do site Observatório G para os quais já escreveu mais de 3 mil artigos de sobre comportamento LGBTQIA+ e também produz conteúdo para o canal Bee40tona no Instagram e no YouTube.

Quantcast