COVID-19 é o maior desafio que soropositivos enfrentaram desde os anos 1990

COVID-19 é o maior desafio que soropositivos enfrentaram desde os anos 1990

Be first to like this.

Todos foram afetados pela pandemia do Covid-19 e pelo bloqueio e pela crise econômica, mas pessoas que vivem com HIV estão entre os grupos mais vulneráveis e o especialista Philip Baldwin explica o porquê.

Embora muitos de nós esperemos voltar à vida normal, para um número significativo de pessoas que vivem com HIV a crise está se aprofundando. “Estou incomodado com o fato de que muitas pessoas soropositivas foram deixadas para enfrentar sozinhas a falta de moradia, o desemprego, a pobreza digital e a pobreza alimentar durante a pandemia de Covid-19”, diz Philip ao Gay Times.

O Positively UK é uma das instituições de caridade líderes em HIV especializadas em fornecer apoio para pessoas que vivem com HIV e alertou para um caso chocantemente atípico. O Conselho Florestal de Waltham se comportou de maneira inadequada com uma mãe sem-teto vivendo com HIV e seu filho pequeno ao tentar abrigá-la fora de Londres.

Philip Baldwin – Posetively

“Eu acredito que seja errado manter uma mãe seropositiva longe dos profissionais médicos e grupos de apoio que são uma tábua de salvação. Isso só pode levá-la a ficar mais isolada e vulnerável”, ressalta Philip.

A polícia que está tomando conta de casos de Covid-19 solicitou uma grande quantidade de documentação e outras evidências, fazendo suposições sobre o acesso dela à tecnologia. Eles rejeitaram as normas e criticaram a mãe por buscar o apoio de uma instituição de caridade.

Enquanto isso, uma pesquisa apresentada pela Positively UK ao All Party Parliamentary Group sobre HIV / AIDS em julho, descobriu que 52% das pessoas que vivem com HIV estão enfrentando problemas de saúde mental como consequência da pandemia de Covid-19.

Algumas pessoas soropositivas, que viveram nas décadas de 1980 e 1990, agora enfrentando outra pandemia, sofrem de transtorno de estresse pós-traumático (PTSD). Muitas pessoas estão experimentando PTSD coletivo.

“No geral, a qualidade e a frequência dos relatórios de HIV e hepatite C na Europa são fortes e não podemos permitir que essa experiência seja perdida sem dados precisos, pois parece inevitável que a qualidade dos testes, tratamento e cuidados para pessoas HIV positivas diminua”, ressalta.

“Precisamos de respostas radicais e rápidas aos problemas sem precedentes que as pessoas soropositivas enfrentam durante a pandemia de Covid-19, tanto dos governos locais como centrais. Mais apoio financeiro precisa ser fornecido diretamente às pessoas que vivem com HIV e também às instituições de caridade que as apoiam no mundo todo”.

Quantcast