Quantcast
Molécula encontrada no esperma pode prolongar a vida Sexo

Molécula encontrada no esperma pode prolongar a vida

Written by Marcio Rolim on July 06, 2018
Be first to like this.

Sem histeria, ok? Para aqueles que adoram essa fonte natural de proteína, vamos começar essa matéria lembrando que ingestão de esperma é meio de contaminação de diversas ISTs como hepatites e sífilis. Mas agora vamos ao que interessa.

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu demonstrar pela primeira vez que a espermidina, molécula poliamina conhecida por seu efeito de prolongamento da vida em cultivos celulares e animais, tem um efeito antienvelhecimento, também nos humanos.

A substância, que é encontrada de forma natural nos organismos vivos, está especialmente presente em humanos no esperma, nas bactérias intestinais e em algumas células. Segundo as conclusões do estudo, que seguiu a dieta de 829 indivíduos desde 1995 até 2015, os que tiveram uma alimentação rica em espermidina poderão prolongar sua vida saudável em até cinco anos.

A pesquisa é parte de um estudo maior, o Projeto K do Centro de Excelência em Pesquisa de Envelhecimento Vascular (VASCage) da Universidade de Medicina de Innsbruck, que procura determinar a quantidade de componentes alimentares que podem influenciar nos processos de inflamação e no envelhecimento em humanos.

A substância também está presente em vários alimentos, como maçãs, couves, cogumelos e frutos secos. Na natureza, a substância está presente na banana, batata, couve, maçã, ervilha, alface, cereais, cogumelo, frutos secos e queijo curado.

esperma

À Agência Efe, o líder da pesquisa e doutor em Neurologia da Universidade de Innsbruck, Stefan Kiechl, afirmou que a quantidade de espermidina que o corpo produz decai a partir dos 40 anos, portanto é preciso reforçar a dieta.

“As recomendações são as mesmas de sempre: comer muita verdura, frutas, nozes e alimentos integrais, que contêm altas doses da molécula”, disse. Entenderam, né?

“O aumento da ingestão de espermidina indica à célula que inicie o processo de autolimpeza e assim protege contra os depósitos e o envelhecimento prematuro”, apontaram os cientistas em comunicado no qual explicam a descoberta.

Bem, agora é esperar uma forma sintética de consumir a substância pra que ninguém saia por aí bebendo da fonte errada.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in
Português
  • English
  • Français
  • Español
  • ไทย
  • 繁體中文