Ficar mais velho não é fichar mais chato, mas é preciso saber mudar

Ficar mais velho não é fichar mais chato, mas é preciso saber mudar

Be first to like this.

Ficar mais velho é uma dádiva, mas muitos de nós envelhecemos com traumas da juventude e isso pode ser prejudicial em nossas relações presentes. Em resposta ao vídeo anterior do canal Bee40tona, em que o Youtuber Marcio Rolim resolve listar os 7 tipos de novinhos embustes na vida de um homem gay mais velho, ele resolveu, ATENDENDO A MUITOS PEDIDOS, fazer o vídeo reverso: “Os tipos de Mariconas embuste”.

Obviamente que todo e qualquer termo usado pelo youtuber, jamais de forma pejorativa, é fruto de humor e ele mesmo se enquadra no grupo de algumas das “cacuras” listadas no vídeo novo, incluindo o controlador.

Ficamos mais velhos todos os dias, isso é inevitável, mas não significa que não possamos ressignificar nosso comportamento, ponto de vista, maneira de encarar o mundo e de curtir a vida, independentemente de idade.

Homens gays mais velhos tendem a trazer os traumas do passado para os relacionamentos presentes (e tudo bem) fazendo com que o outro lado da relação, sendo um cara mais novo, não consiga carregar um fardo de problemas os quais ele não tem a menor obrigação de lidar.

Isto não é regra, mas é parte da vida de muitos de nós, homens gays de uma outra geração, em que sair do armário, se assumir para a família, no trabalho, era bem mais difícil. Somos fruto de umas boas décadas de luta e certamente, nossa maneira de lidar com os problemas é diferente.

Uma questão a ser discutida é a cultura. Não existe o melhor e o pior, mas existe o diferente, e para muitos de nós, gays mais velhos, lidar com o diferente não é bem fácil (estamos falando de música, tendências, moda, baladas, tudo… sim, somos resistentes e temos muito o que aprender com os gays mais novos).

Curtam o vídeo e assistam o anterior para entender essa resposta bem humorada sobre o envelhecimento do homem gay e de que forma isso pode nos ajudar a ser homens melhores com nossos namorados, estejamos em qualquer idade de nossas vidas.

Marcio Rolim é editor de conteúdo do Hornet e do site Observatório G para os quais já escreveu mais de 3 mil artigos de sobre comportamento LGBTQIA+ e também produz conteúdo para o canal Bee40tona no Instagram e no YouTube.

Related Stories

The Boys In The Band | Jim Parsons fala como foi estar em elenco só de atores gays
(Vídeo) Professor sofre ataque homofóbico por defender mulher de racismo
Doc sobre história da luta livre LGBT ganha trailer, assista
Parlamentar canadense aparece pelado em videoconferência da Câmara
Quantcast