FMS lança guia com leis e endereços de rede de proteção a LGBTs

FMS lança guia com leis e endereços de rede de proteção a LGBTs

Be first to like this.

FMS lança guia com leis e endereços de rede de proteção aos LGBTs. Com vistas a ampliar o olhar e os cuidados na área da saúde ao público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transgêneros), a Fundação Municipal de Saúde (FMS) irá lançar um guia com orientações aos profissionais de saúde de Teresina. O material será apresentado no Seminário de Saúde Mental voltada ao Público LGBT, que ocorrerá nesta terça-feira (27), a partir das 8h, na Academia de Formação Penitenciária do Estado do Piauí (ACADEPEN) e será aberto ao público.

O guia foi idealizado por integrantes do Conselho Municipal LGBT da cidade, em parceria com a FMS. No documento, constam informações como leis que garantem direitos da população LGBT, endereços das redes de proteção e apoio, além de trazer os conceitos de discriminação e homofobia e de explicar termos como queer, transgênero, transexual e travesti.

“Durante os atendimentos, temos que seguir os princípios de humanização do Sistema Único de Saúde (SUS) e respeitar as especificidades de cada paciente, quer sejam de raça, gênero, geração ou de orientação e práticas afetivas e sexuais. Com o lançamento da cartilha, pretendemos melhorar a qualidade do atendimento ao público LGBT”, explica o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Charles Silveira.

“O tema Saúde Mental é relevante, já que é comum o público LGBT sofrer com homofobia, o que pode causar sofrimento e adoecimento mental. E Teresina possui altas taxas de suicídio. Com o evento, o objetivo é que os profissionais de saúde conheçam o básico sobre leis e conceitos que envolvem a população LGBT, para que eles se apropriem dessas informações e ampliem a qualidade do atendimento”, afirma Vitor Kozlowski, coordenador da Articulação Brasileira de Gays – Artgay -PI.

De acordo com Alana Niege, chefe do Núcleo de Infecções Sexualmente Transmissíveis -HIV e Hepatites Virais da FMS, a Política Nacional de Saúde LGBT é um marco de reconhecimento das demandas da população LGBT. “A sua operacionalização requer planos nos serviços estaduais e municipais. e é preciso que a sua efetividade seja com compromisso em todas as instâncias que operam o SUS”, finaliza.

 

Rede Piauí

Related Stories

DIAHV lança primeira cartilha para população de homens trans
“Ambulatório trans” inaugura atendimento em Minas Gerais
América Latina ganha primeira pesquisa online sobre saúde sexual de HSH
Cartilha Trans é retirada do ar pelo Ministério que diz “material contém erros”
Quantcast