Gay gamers: 10 por cento dos jogadores são LGBTQ +, revela estudo

Gay gamers: 10 por cento dos jogadores são LGBTQ +, revela estudo

Be first to like this.

Gay gamers dominam parte das plataformas de jogos e não é de agora. Um estudo recente da Nielsen analisa os hábitos e o poder de compra dos jogadores LGBTQ+. A pesquisa da Nielsen Games 360 deste ano mostra que 10% de todos os jogadores com mais de 18 anos se identificam como LGBTQ +.

Das 2.000 pessoas LGBTQ+ maiores de 13 anos pesquisadas, 40% se identificam como gays ou lésbicas, 50% se identificam como bissexuais e 10% como transgêneros ou não binários. A pesquisa descobriu que os jogadores LGBTQ+ gastam 8% a mais por mês em jogos do que seus colegas heterossexuais, a uma média de $ 16,01 contra $ 14,78.

Segundo a publicação do Pride, os jogadores LGBTQ+ são mais propensos a jogar jogos de simulação do que seus colegas não LGBTQ+, 26% contra 17% em consoles, 41% contra 25% no PC e 40% contra 28% por cento no celular.

A pesquisa descobriu também que as pessoas LGBTQ + são mais propensas a serem proprietários de console (77%) do que proprietários de jogos de PC (29%), eles preferem jogar em consoles (51%) versus jogos móveis (13%), e que 38% dos jogadores LGBTQ+ preferem Playstation, 22% preferem XBOX e 19% preferem consoles Nintendo.

Dividindo isso ainda mais, a pesquisa da Neilsen relata que 36% dos jogadores de console jogam jogos de luta como Super Smash Bros e outros 36% jogam jogos de terror como Dead by Daylight. 46% dos jogadores de PC jogam RPGs como The Witcher, e os jogadores móveis estão divididos com 40% jogando jogos de simulação como The Sims e outros 40% jogando RPGs como Reigns: Game of Thrones.

“A pesquisa realmente nos mostra que existe uma subcomunidade próspera dentro do extenso mundo dos jogos que tem voz e impacto na indústria em geral”, disse um representante da Nielsen à Out. “Os gay gamers são jogadores ativos – embora isso não deva ser surpreendente, já que os consumidores LGBTQ+ são consumidores muito ativos de mídia e tendem a estar na vanguarda da maioria das tendências de mídia.”

Esperançosamente, as empresas de jogos estão tomando nota dessas estatísticas e de nosso poder de compra! Adoraríamos ver mais jogos LGBTQ+ inclusivos, como The Last of Us Part II e Assassin’s Creed Odyssey.

Quantcast