Gay pega buquê
Gay pega buquê

Gay pega buquê e noiva dá lição de diversidade após mulheres protestarem

Tradição é tradição. A noiva joga o buquê, alguém que queira casar pega e leva a sorte. Mas ninguém disse até então que esse alguém teria que ser uma mulher, certo? Certo! E a noiva que jogou o buquê, a assistente social Daiane Benevides, de 29 anos, de Cuiabá, deixou claro que seus amigos gays poderiam entrar no grupo de mulheres à espera do lançamento do buquê sim!

“Eu não via qualquer problema que poderia impedir que meus amigos participassem do ato”, disse Daiane, que se casou com o agrônomo Alexandre Gomes, 35 anos, em um buffet, no dia 14 de abril, em entrevista ao RD News. E foi justamente um dos amigos gays da noiva que sacou o buquê ainda voando das mãos dela, o universitário Heryck Guimarães, de 25 anos.

“Eu entrei no meio do pessoal e algumas me disseram que eu não poderia estar ali. Mas eu falei que ninguém me tiraria. Por eu ser mais alto e pelo fato de algumas mulheres reclamarem disso, eu apenas pulei para o alto quando ela jogou. Não pulei em cima de ninguém, mas o buquê veio em minha direção”.

Alguns convidados abraçaram e parabenizaram Heryck pela conquista, porém outros reclamaram alegando que deveria ter sido uma mulher a pegar o mimo. Com o burburinho rolando e algumas pessoas gritando “marmelada”, a noiva sacou o microfone e encerrou o assunto com categoria fazendo um lindo discurso pró-LGBT para os convidados.

“Eu o defendi. Falei que não havia diferença se um homem ou uma mulher pegasse o buquê. Disse que ali éramos dos direitos humanos e não havia espaço para machismo nem homofobia. Reforcei que se alguém estivesse incomodado, deveria se retirar”, disse.

Guimarães continuou: “Eu achei lindo o gesto dela. Acredito que ela tenha feito o certo”. E para quem quiser se aventurar com o bonitão, ele está solteiro: “Eu não estou muito esperançoso de que vou casar um dia, não. A previsão, ao menos para este ano, é que isso não aconteça, porque estou solteiro e nem sei se essa situação ainda vai mudar”.

 

E aí? Vai tentar mudar essa situação do cara? Vai que…