Homem hétero
Homem hétero

Homem hétero afirma ter se tornado gay após tomar analgésicos

Scott Purdy, que se dizia homem hétero, 23 anos, afirma que mantinha uma vida ativa com mulheres antes de começar a tomar um tipo de analgésico chamado pregabalina. O medicamento teria feito o jovem perder completamente a atração por mulheres, levando-o a abandonar sua namorada e, imediatamente, sentir atração por homens. A droga foi prescrita por um médico após ele ter quebrado o pé no início de 2018. Scott fez seu relato em entrevista ao This Morning.

“Eu notei minha libido por mulheres indo embora e minha atenção se voltou para os homens”, declarou Scott. Também chamado pelo nome comercial de Lyrica, a fabricante é a Pfizer – gigante farmacêutica mundial que também produz o Viagra. “Algumas semanas após começar a tomar, virei para minha namorada e disse que não me sentia mais atraído fisicamente. Ela sabia que eu estava tomando pregabalina”, salientou.

 

ASSISTA VÍDEO:

A substância, de acordo com o jornal Mirror, é usada para tratar epilepsia, dores de cabeça e transtorno de ansiedade generalizada. Além disso, seus efeitos colaterais documentados incluem perda de libido e alterações de humor. Scott salienta que seu objetivo é alertar as pessoas: “Se alguém prescrever isso no futuro, acho que as pessoas deveriam saber o que este remédio pode fazer. Demorei um pouco para perceber o que estava acontecendo. Parei de tomar o medicamento por algumas semanas e o desejo por homens começou a desaparecer”.

“Mas, eu sou gay agora. Estou muito feliz. Eu quero continuar tomando o remédio porque me faz feliz com minha sexualidade, isso faz sentir-me bem. É realmente libertador. A pregabalina também é usada para controlar a paranoia e ansiedade e isso me fez tão ‘cabeça aberta’ que não me importo com o que as pessoas pensam ou dizem”, concluiu.

Um porta-voz da fabricante Pfizer se pronunciou sobre o tema: “Quando prescrito e administrado adequadamente de acordo com a bula aprovada, Lyrica (pregabalina) é uma opção de tratamento importante e eficaz para muitas pessoas que vivem com dor neuropática crônica, transtorno de ansiedade generalizada e epilepsia”.

Ao fazer uma participação no programa This Morning, para falar sobre a mudança após tomar o analgésico, um médico foi convidado para comentar o caso. O Dr. Ranj Singh, que é gay, foi categórico ao afirmar que não são os remédios que fizeram o paciente “virar gay”, mas apenas o permitiram ou ajudaram-no a mostrar quem ele realmente era.

 

E aí, galera, será que alguns de nós entrou pra comunidade por causa de analgésicos? Deixe seu comentário.