indenização
indenização

Vítima de homofobia vence ação e doa indenização para instituições

O esteticista Igor Henrique, 31 anos, que sofreu homofobia em uma casa de shows localizada em Natal, venceu ação judicial feita há 11 anos e, agora, ao ganhar indenização, doou o valor de R$ 10 mil para quatro instituições filantrópicas.

Na ocasião, Igor estava em uma casa de shows quando um segurança pediu para que ele se retirasse do estabelecimento, alegando o uso de roupas inadequadas. “Eu sabia que não desrespeitava nenhuma regra, mas para evitar ainda mais constrangimento, fui embora. Na época, tinha apenas 20 anos. Fiquei abalado, procurei o problema em mim. Depois percebi que não havia problema e sim que me mandaram sair por outro motivo. Sofri crime de preconceito, homofobia”, disse Igor em entrevista ao G1.

Com a ajuda de uma amiga advogada, Igor procurou a Justiça. Após 11 anos de tramitação do processo, que foi até a última instância e deu ganho de causa ao potiguar, Igor recebeu a primeira parte do dinheiro e decidiu cumprir uma promessa que havia feito a si mesmo quando deu entrada na ação judicial. “Prometi que, se ganhasse, ajudaria instituições filantrópicas da minha cidade. Contei meu caso nas redes sociais e pedi aos seguidores indicações de quem poderia ajudar”, diz.

O esteticista recebeu várias mensagens com sugestões e encontrou a Sociedade Amigos do Deficiente Físico do estado (Sadef-RN). Igor conheceu a sede e as histórias dos paratletas. A Sadef é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que há mais de duas décadas atua na busca da inclusão social, principalmente por meio do esporte.

Além da Sadef, Igor ajudou outras três instituições de Natal. O Lar da Vovozinha, a Amor sem Raça Definida, ong que resgata, trata e busca donos para animais abandonados; e a Amico – Associação Amigos do Coração da Criança. “A justiça tarda mas não falha. Espero que meu caso inspire outras pessoas a ajudar quem necessita, não olhar apenas para o próprio umbigo. É surreal a sensação de saber que estamos melhorando vidas”, diz.