lésbicas comete suicídio
lésbicas comete suicídio

Casal de lésbicas comete suicídio junto a filha: “O mundo não nos deixa viver”

Asha Thakor e Bhavna Thaor, que viviam juntas na Índia, na região de Ahmedabad, cometeram suicídio junto da filha de uma delas. A história publicada no site da Time chocou o mundo pela atitude drástica e pela nota de despedida que deixaram: “nos distanciamos do mundo para nos unir, mas o mundo não as deixava viver”.

Em uma tentativa desesperada de “fugirem” e permanecerem juntas, as duas tiraram suas vidas por afogamento. A filha de uma delas, de apenas 3 anos, também teve a vida tirada junto na ocasião.

“As duas mulheres se suicidaram devido a complicações decorrentes de seu relacionamento lésbico”, disse autoridades locais. Segundo informou o jornal Deccan Herald, as duas deram um fim na em suas vidas por afogamento. O casal teria se conhecido quando uma delas ainda era casada com um homem, com quem tinha a filha Megha de apenas 3 anos de idade.

Recentemente, a Índia retirou homossexualidade da lista de doenças pela comunidade psiquiátrica do país, no entanto, na seção 377 do código penal indiano, ser gay é expressamente proibido. É uma lei muito antiga e nem sempre aplicada na prática, mas sido amplamente usada para reprimir a comunidade LGBTI indiana.

A tragédia foi noticiada amplamente na mídia da Índia e já é mais um fator exercendo pressão sobre o governo do país para mexer enfim na lei anti-gay que ainda existe por lá, trazendo de volta a expectativa de que a descriminalização finalmente avance, uma vez que relações homossexuais na India, é considerado crime com pena de até 10 anos de prisão.

O ativista LGBT, Mukul Rohatgi, afirmou à imprensa sobre o ocorrido alertando sobre a discriminação de LGBTs na Índia: “Pessoas da comunidade LGBTQ são ridicularizadas em várias esferas da vida. Igualdade de oportunidades de trabalho e remuneração não é dada aos indivíduos que escolheram sua orientação sexual, que é chamada de “diferente” disse.