Quantcast
Livro escancara orgias gays no Vaticano e afirma que maior parte dos cardeais é gay Escolhas do Editor

Livro escancara orgias gays no Vaticano e afirma que maior parte dos cardeais é gay

Written by Marcio Rolim on July 01, 2019
Be first to like this.

Livro escancara orgias gays no Vaticano e afirma que maioria nos corredores das igrejas é homossexual, diz artigo publicado pela Folha de São Paulo. Após quatro anos de pesquisa e mais de 1.500 pessoas entrevistas, o livro “No Armário do Vaticano – Poder, Hipocrisia e Homossexualidade” está pronto para causar um imenso barulho na comunidade católica.

O autor, o jornalista francês Fredéric Martel, que também é gay, revela em sua obra orgias homéricas que aconteciam (e ainda acontecem?) na capital do cristianismo e defende a tese de que lá, a maioria dos padres são homossexuais. Um dos entrevistados, um “michê” que faria serviços para os religiosos, diz que vários deles faziam pedidos inusitados, que vão desde sadomasoquismo a “golden shower” (quem diria, hein?).

“Há os que querem que nos fantasiemos de mulher, de travesti. Outros praticam atos sadomasoquistas sórdidos. Um padre até quis lutar boxe comigo todo nu”, conta no livro o romeno Christian, que dizia à mulher e à família que trabalhava em Roma como barman.

Livro escancara orgias gays no Vaticano

No próximo dia 15 de julho, Martel estará presente na Festa Literária Internacional de Paraty, para falar sobre o livro e rebater as críticas que tem recebido, não só de setores conservadores da sociedade. O site The Catholic World Report, por exemplo, disse que a obra tem “muitas insinuações” e “fofocas”, mas não é um registro “acadêmico” e “objetivo”.

O jornalista, contudo, rebate a afirmação do site, ao garantir que entrevistou – pessoalmente – mais de 1.500 pessoas no Vaticano e em outros 30 países. Segundo a Folha de S. Paulo, neste grupo havia 41 cardeais, 52 bispos e monsenhores, 45 núncios apostólicos e embaixadores e mais de 200 padres e seminaristas.

Ele descreve detalhadamente algumas das festas que aconteciam entre os religiosos, regadas à drogas como ‘vodca de maconha”, com direito a “convidados muito travessos”. Apesar da constante crise da Igreja Católica referente a abusos sexuais, o jornalista francês defende que estes casos nada tem a ver com a taxa de homossexuais no clérigo.

O presidente dos EUA leu o livro e afirmou em sua conta de twitter que o livro é ótimo e daria um bom filme. Infelizmente, temos que concordar com Trump, e aguardamos esse filme ansiosamente.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in