Quantcast
Polícia da Moldávia usa gás lacrimogêneo contra manifestantes anti-homossexuais em marcha contra a homofobia (vídeo) Mundo

Polícia da Moldávia usa gás lacrimogêneo contra manifestantes anti-homossexuais em marcha contra a homofobia (vídeo)

Written by Daniel Villarreal on May 23, 2018
Be first to like this.

This post is also available in: العربية English Español

No último sábado, ativistas LGBT no país europeu da Moldávia receberam sua terceira marcha contra a homofobia. Centenas de policiais protegeram os manifestantes de manifestantes cristãos anti-LGBTQ ortodoxos enquanto caminhavam pela cidade capital do país, Chișinău. A polícia chegou a espirrar gás lacrimogêneo em um ponto para dispersar os manifestantes que tentaram atrapalhar a marcha da Moldávia ao romper um bloqueio policial.

Nos vídeos da marcha, pode-se ver multidões de policiais em tropas de choque guardando as laterais da rua, caminhando ao lado dos manifestantes e bloqueando o fim de seu grupo para protegê-lo de qualquer ataque na retaguarda.

Protestos ortodoxos cristãos anti-LGBT tem surgido contra a marcha todos os anos desde o primeiro evento em 2016.

Assista vídeo de manifestantes anti-gay levando gás lacrimogêneo na marcha LGBTQ da Moldávia de 2018:

Dois dias antes da marcha, seus organizadores – uma organização local de direitos LGBTQ chamada GENDERDOC-M — soltou uma nota afirmando seu direito de se reunir e marchar sob a Declaração Universal dos Direitos Humanos. A declaração também agradeceu à polícia por sua proteção. Mais de 20 embaixadas estrangeiras na Moldávia assinaram a declaração, incluindo os Estados Unidos.

A marcha acontece um ano depois que o presidente da República da Moldávia, Igor Dodon, disse: “Nunca prometi ser o presidente dos gays”. Ele também criticou a marcha, dizendo que ela contradiz os valores morais do país.

Angela Frolov, coordenadora do programa em GENDERDOC-M, disse: “Não posso dizer nada sobre aqueles que vieram protestar contra nós, é um direito deles. Esta é a nossa sociedade e nós vivemos nela. Fomos acusados de destruir as famílias tradicionais. Acreditamos que a família tradicional é uma família onde há respeito e dignidade”.

Moldova LGBTQ march 02

Um participante da marcha de 2016, Arnaud Gauthier-Fawas, disse que os manifestantes só sofreram três incidentes agressivos: um grupo religioso cantou canções e jogou água benta sobre eles, alguém jogou ovos neles de um apartamento no andar superior e contra-manifestantes tentaram bloquear a rota da marcha. Em todos os casos, diz Gauthier-Fawas, a polícia respondeu calmamente e dispersou os agressores, incentivando os manifestantes a passar rapidamente pelas ameaças.

A primeira versão da marcha aconteceu em in 2013, mas foi rápida por conta dos protestos políticos.

Vaja ao vídeo e deixe um comentário.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in
Português
  • English
  • Français
  • Español
  • ไทย
  • 繁體中文