Um quarto dos britânicos não acredita na masculinidade tóxica

Um quarto dos britânicos não acredita na masculinidade tóxica

Be first to like this.

Em estudo revelador e NADA surpreendente, foi descoberto que 23% dos homens menores de 35 anos na Grã-Bretanha negam a existência de masculinidade tóxica por completo (meme da Mônixa falando “ah tá”).

O termo masculinidade tóxica se refere a “uma adesão aos papéis tradicionais do gênero masculino que, consequentemente, estigmatizam e limitam as emoções que meninos e homens podem expressar confortavelmente enquanto elevam outras emoções, como a raiva”.

Exemplos de homens que exibem masculinidade tóxica incluem a fragilidade de sua heterossexualidade (como sugerir que “tomar refrigerante rosa” seja algo gay), misoginia sistêmica, violência desnecessária e a fachada construída de um homem que não precisa demonstrar emoção.

Mas uma pesquisa da plataforma de aprendizagem online FutureLearn e da Universidade de Glasgow descobriu que 12 milhões de britânicos não acreditam no conceito. Na verdade, 23% não acreditam que isso nunca existiu, o que significa que o dobro de pessoas acreditam em Jesus, que nunca o conheceram, mas não acreditam nas características tóxicas obtidas pela maioria dos homens em suas vidas.

A amostra vem de 2.080 pessoas entrevistadas, além disso, quase um quarto dos homens “não acredita que a desigualdade de gênero seja uma realidade que existe na sociedade”. Com a clara ironia de que os homens afetados pela masculinidade tóxica não reconheceriam a desigualdade de gênero ou da própria masculinidade tóxica.

As duas respostas mais comuns para o motivo da masculinidade tóxica foram: “uma imagem estereotipada do que significa ser masculino” e “um ambiente que permite a misoginia”.

Related Stories

Estudo de vacina preventiva ao HIV busca voluntários no Brasil
Quando fantasias sexuais problemáticas param de ser inofensivas?
Senador compara saúde trans com mutilação genital
Jogador trans da WNBA faz cirurgia e comemora: “liberdade finalmente”
Quantcast