Quantcast
Medida Provisória assinada por Bolsonaro exclui direitos específicos aos LGBT Política

Medida Provisória assinada por Bolsonaro exclui direitos específicos aos LGBT

Written by Marcio Rolim on January 03, 2019
Be first to like this.

Medida Provisória de n. 870/19, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta quarta-feira, 2, não possui nenhuma citação em relação a políticas públicas de apoio ou detalhamento voltadas para a população LGBT como políticas e diretrizes assegurando algum direito, Secretaria ou Conselho Nacional.

Segundo o portal O Povo, desde 2001, a luta desse movimento era legitimada pelo governo federal e população LGBT tinha uma diretoria na Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos no governo do ex-presidente Michel Temer. O novo Ministério denominado da Família e dos Direitos Humanos vai ser comandado pela pastora Damares Alves (aquela que jura ter visto Jesus na goiabeira).

De acordo com o novo Ministério, só são citadas na Medida Provisória políticas e diretrizes destinados à promoção dos direitos humanos, incluídos os direitos: da mulher; da família; da criança e do adolescente; da juventude; do idoso; da pessoa com deficiência; da população negra; das minorias étnicas e sociais e do índio. O trecho ““desenvolver políticas públicas de enfrentamento ao preconceito e à discriminação contra Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais”, desapareceu.

Agora, dez conselhos nacionais regem os direitos: Promoção da Igualdade Racial; dos Direitos Humanos; de Combate à Discriminação; dos Direitos da Criança e do Adolescente; dos Direitos da Pessoa com Deficiência; dos Direitos da Pessoa Idosa; dos Povos e Comunidades Tradicionais; de Política Indigenista; dos Direitos da Mulher; e da Juventude, além do Comitê e Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura.

A divulgação dessa nova MP, não detalha se as futuras pautas da população LGBT vão para algum Conselho Nacional dos Direitos Humanos ou de Combate à Discriminação ou dos direitos das minorias étnicas e sociais, por exemplo. A decisão gerou vários comentários nas redes sociais, tendo a participação da cantora Daniela Mercury, que se posicionou publicamente no Twitter.

Parece que a luta só começou, não é?! 

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in
Português
  • English
  • Français
  • Español
  • ไทย
  • 繁體中文