MENA critica Facebook por não remover posts pedindo que gays sejam mortos

MENA critica Facebook por não remover posts pedindo que gays sejam mortos

Be first to like this.

Ativistas LGBTQ+ do Oriente Médio e Norte da África (MENA) criticaram o Facebook depois que a plataforma se recusou a tomar medidas contra postagens que pediam a morte de gays.

Uma postagem, mostrada ao Gay Star News, dizia: “Se você acha que é seu direito agir sobre sodomia / homossexualidade, é meu direito jogá-lo do telhado”. Ativistas denunciaram a publicação, mas o Facebook não tomou nenhuma atitude, dizendo que “não contraria os padrões da nossa comunidade, incluindo o discurso de ódio”.

Os ativistas também relataram uma conta, cujo avatar mostra um boneco chutando outro boneco de arco-íris no estômago. As postagens da conta são universalmente todas anti-LGBTQ+, incluindo imagens de bandeiras e arco-íris em chamas sendo arrastados para a sarjeta.

Outro post de um usuário homofóbico mostra um guerreiro islâmico contra uma multidão de pessoas LGBTQ+, manifestantes do Black Lives Matter, e apresenta imagens anti-semitas. E outro post mostra a ativista egípcia LGBTQ+, Sarah Hegazi, que recentemente tirou a própria vida, queimando em chamas.

Ativistas do Egito, Marrocos, Rússia, Sudão, Síria e Tunísia já assinaram uma carta aberta ao Facebook. Parte da carta dizia: “A comunidade MENA LGBTQI+ tem relatado milhares de publicações em árabe sobre discursos de ódio dirigidas a mulheres em geral e a pessoas de diferentes orientações sexuais em particular.

“A maioria desses relatórios foi recusada porque o conteúdo ‘não contradiz os padrões da comunidade do Facebook’. Isso se deve à fraca implementação de políticas eficazes de discurso contra o ódio em nossa região, o que torna a plataforma insegura para as minorias sexuais”.

A carta pede que o Facebook adote políticas universais sobre discurso de ódio e treine funcionários em questões LGBTQ+. Ela também pede reuniões com figuras importantes do Facebook até que o assunto seja resolvido.

Em entrevista à Reuters, Adam Muhammed, diretor executivo da ATYAF Collective, com sede em Marrocos, disse: “Nos EUA e na Europa, não há espaço para espalhar discursos de ódio contra qualquer orientação sexual, raça, religião, seita ou qualquer outro grupo social”.

Em um e-mail, um porta-voz do Facebook disse: “Não permitimos ameaças de morte, ataques ou discursos de ódio direcionados à comunidade LGBTQI+. Utilizamos uma combinação de relatórios e tecnologia do usuário para encontrar e remover esse conteúdo”.

A resposta continua: “Isso inclui equipes de especialistas que revisam os relatórios do discurso de ódio 24 horas por dia, 7 dias por semana, em mais de 50 idiomas, incluindo árabe e ferramentas de IA que encontram quase 90% do discurso de ódio que removemos antes que os usuários nos denunciem”.

Eles acrescentaram que mantêm um diálogo regular com especialistas e organizações externas, a fim de obter informações sobre seus padrões comunitários e processos de aplicação e contestaram parte da carta aberta, dizendo: “O Facebook é um serviço global, então essas regras [sobre discurso de ódio] se aplicam a todos – incluindo pessoas do Oriente Médio e do Norte da África”.

O Facebook ainda tem uma história mista com as pessoas LGBTQIA+. No passado, ele removeu conteúdo homofóbico, mas também permitiu que o conteúdo que disseminava informações erradas contra a PrEP fosse publicado no site.

Quantcast