Ministério Saúde HPV

Ministério da Saúde lança campanha para vacinar 10 milhões de jovens contra HPV

Segundo site do Ministério da Saúde, estudo realizado em 2017 indica que prevalência estimada do HPV nas capitais do Brasil é de 54,3%, por isso, campanha visa aumentar a cobertura vacinal entre adolescentes de 9 a 14 anos contra HPV e Meningite C.

Espera-se vacinar 10 milhões de jovens contra o vírus HPV no ano de 2018. Segundo a pasta, esse é o número que falta para atingir 80% da população-alvo. A campanha, lançada na manhã da última terça-feira (13/03), foi divulgada após apresentação de estudo que revelou que a prevalência do papiloma vírus humano ultrapassa os 50% no Brasil.

Deverão ser vacinadas contra o HPV, meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos, sendo que a faixa etária da vacina meningite C agora passa a ser 11 a 14 anos de idade. No ano passado, estavam sendo vacinados contra a doença meninas e meninas de 12 a 13 anos.

“Esta campanha está completamente de acordo com a mudança de foco que estamos implantando no Ministério da Saúde, que é priorizar a prevenção. Estamos investindo na prevenção para evitar que as pessoas fiquem doentes. O recente lançamento das novas práticas integrativas no SUS vai na mesma direção, nosso foco é o processo de saúde e não a doença”, explicou o ministro Ricardo Barros, durante o lançamento da campanha.

A campanha que será vinculada até o dia 30 de março tem um filme institucional em que um menino e uma menina fogem do vírus em um cenário com inspiração em famosos seriados de TV para gerar identificação com o público jovem e dos país. A fuga termina no momento em que os jovens entram em uma unidade de saúde e se vacinam. O filme mistura imagens reais e animação.

Assista ao filme “Não perca a nova temporada de Vacinação contra a meningite C e o HPV

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, Carla Domingues, enfatiza que as vacinas contra o HPV e a meningocócica C fazem parte do calendário de rotina disponível nas unidades do SUS, durante todo o ano e que esta é uma campanha de mobilização. “É importante ressaltar que esta é uma campanha informativa e de esclarecimento e não uma campanha de vacinas. A campanha é importante para alertar as pessoas sobre a necessidade da vacinação, esclarecendo o que é mito e boato, e informações verdadeiras, baseadas em estudos científicos”, observou a coordenadora.