Quantcast
Ministro Celso de Mello faz discurso pró-LGBTI em julgamento sobre homofobia Política

Ministro Celso de Mello faz discurso pró-LGBTI em julgamento sobre homofobia

Written by Marcio Rolim on February 16, 2019
Be first to like this.

Ministro Celso de Mello, do STF, faz um dos mais emblemáticos discursos pró-LGBTI durante votação de lei que criminaliza homofobia e transfobia. O Judiciário continuará na semana que vem análise sobre se o Congresso foi omisso ao não criar lei que criminalize a discriminação por LGBTfobia.

O julgamento do Supremo Tribunal Federal, STF, para decidir se o Congresso Nacional é ou não omisso por não ter criado até agora lei que criminalize a homofobia foi suspenso nesta quinta-feira (14) e só será retomado na quarta-feira que vem (20). Nesta sexta (1), o ministro Celso de Mello, relator de uma das ações, fez a leitura de cerca de metade do seu voto – cujo texto soma 108 páginas. Ao longo do discurso, criticou a discriminação de minorias sexuais e o Congresso por não ter regulado ainda a questão. Na semana que vem, ele deve concluir seu voto.

“A inércia do Estado qualifica-se perigosamente como um dos processos deformadores da Constituição”, afirmou o decano, indicando posicionamento favorável à causa LGBTI. Nesta quinta-feira, o plenário do Supremo continuou o julgamento que deve decidir se a homofobia e a transfobia devem ou não ser criminalizadas. O tema começou a ser discutido na quarta-feira (13), com a exposição oral de envolvidos nos processos que são contra e a favor da medida.

Ministro Celso de Mello
STF discute criminalização de homofobia. Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Até agora, Mello destacou que o Estado deve assegurar que indivíduos com diferentes orientações sexuais ou identidades de gêneros (pessoas trans) vivam com a mesma liberdade. Em seu voto, chegou a citar as declarações da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, sobre meninos usarem azul e meninas usarem rosa, criticando “o espantalho moral criado por reacionários morais com referência à ideologia de gênero”.

Duas ações são analisadas pelo Supremo – uma apresentada pelo Partido Popular Socialista (PPS) e a outra, pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT). O pedido é para que o Supremo declare o Congresso omisso por até hoje não criar uma lei que criminalize a homofobia. Como medida de reparação, as ações pedem que Câmara e Senado tenham prazo para criar lei penal que regule a questão. Até lá, que a discriminação motivada por homofobia ou transfobia seja enquadrada na lei do racismo (7.716/1989), assim como ocorre com crimes movidos por antissemitismo (aversão a judeus).

Na quarta-feira, o advogado do PPS, Paulo Roberto Vechiatti citou aumento em ataques físicos a gays e trans para defender que o STF tome uma posição “contramajoritária” – quando o Judiciário defende uma minoria, apesar da opinião da maioria, em busca de proteger direitos importantes da humanidade. Citou que há leis protegendo outros grupos vulneráveis, como idosos, crianças, mulheres e negros, portanto LGBT+ também devem ser incluídos.

“Não são monstros que discriminam ou matam pessoas LGBT. É a banalidade do mal, e falo isso fazendo referência a Hannah Arendt: são pessoas normais que acabam cometendo esses crimes”, afirmou Vechiatti.

Críticos à criminalização da homofobia afirmam que a lei fere a liberdade religiosa – em especial, o setor evangélico é o que mais teme efeitos, sobretudo restrições a discursos de pastores em cultos. Dizem, ainda, que uma decisão do STF sobre o tema seria mais um caso em que o Judiciário legisla no lugar do Parlamento – ou seja, sobreposição de poderes da República.

 

SOBRE AS AÇÕES

Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26

Relator: ministro Celso de Mello

Na ADO 26, o Partido Popular Socialista (PPS) pede que homofobia e transfobia sejam reconhecidos como racismo, que o STF declare que o Congresso foi omisso em não votar até agora projeto que criminalize o preconceito contra LGBT+ e coloque prazo de até um ano para o Congresso legislar sobre o tema.

Nesta ação, a Câmara se defendeu dizendo que aprovou, em 2001, o projeto de Lei 5.003 e o enviou para análise do Senado, que nunca o votou. O Senado, por sua vez, disse que não foi omisso e sublinhou que cabe a ele decidir o tema agora.

Mandado de Injunção 4733

Relator: ministro Edson Fachin

A ação, movida pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais (ABGLT), pede que o STF reconheça a homofobia como crime de racismo ou como crime de discriminação que atenta contra liberdades individuais. Aqui, tanto Câmara quanto Senado afirmaram que não foram omissos.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in