diga que você já me esqueceu
diga que você já me esqueceu

Peça “Diga que Você já me Esqueceu” discute a safadeza que existe em todos nós

Com inspiração no universo do dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980) e no movimento expressionista, a peça “Diga que Você já me Esqueceu”, que tem texto e direção de Dan Rosseto pinta com muita tinta, insanidade e verdades cruas, realidades sobre os famigerados “cidadão de bem” e “família tradicional” expondo seus segredos mais escusos durante uma cerimônia de casamento.

O Hornet falou com o elenco sobre homossexualidade, machismo, patriarcado, feminismo e representatividade. Confira trechos da entrevista com os atores Ana Clara Rotta, Daniel Morozetti, Carol Hubner, Juan Manuel Tellategui, Larissa Ferrara, Marjorie Gerardi, Nalin Júnior e Pablo Diego:

 

“Esse texto é freudiano, tem uma pulsão sexual que faz as pessoas tirarem as máscaras. É uma mãe que tem algo pelo filho, é a prima que gosta da outra, é o cara que não comeu a namorada… quando vi esse texto eu pensei que legal falar dessas pulsões sexuais de uma forma poética… e claro de safadeza, com safadeza, mostrando isso de forma aberta”, disse Marjorie Gerardi.

diga que você já me esqueceu

“Eu gosto da palavra safadeza, mas ela é um termo de algo que você precisa fazer escondido dos outros, você pode ser safado, mas ninguém pode saber. Essa peça é como se você tirasse a roupa na frente das pessoas e ficasse vulnerável… essa é uma peça sem vergonha”, disse Pablo Diego.

diga que você já me esqueceu

“A abordagem da peça trabalha as camadas inconscientes da representação do sexo. O machista quer meter, a mãe quer proteger, a irmã tem tesão pelo irmão, tem muita tensão sexual e as camadas são expostas à medida que as máscaras caem”, ressalta Daniel Morozetti.

diga que você já me esqueceu

“A sociedade espera que você faça algo, mas não é o desejo do ser. Os desejos gerais são desejo coletivo, mas em relação à sexualidade é tudo velado. Enquanto atriz, eu me questiono sobre de que forma minha personalidade foi construída. Quem me vê acredita que eu seja uma certa pessoa, mas o que se passa na minha cabeça, seja safadeza ou um recato, só eu posso ou preciso expor. Isso sim, me empodera enquanto mulher, o direito de ser ou poder baixar essas máscaras que são resultado do consciente coletivo e não da pessoa individual”, sobre as análises freudianas de Carol Hubner.

“Dentro do teatro a gente pode brincar de ser outras pessoas, pode e deve. Quando recebi o convite para fazer uma personagem feminina, o desafio era interpretar outro gênero, não era uma mulher trans, mas uma mulher. Eu, enquanto ator, posso e devo encarar esse papel e minha maior preocupação era trabalhar com sentimentos sinceros e verdadeiros. Sobre a incorporação de pessoas trans no mercado de atuação para interpretar personagens trans, eu sou completamente a favor, a gente precisa entender que a diversidade sexual faz parte do nosso cotidiano e isso predisa estar em todos os âmbitos sociais”, sobre ser ator e a representatividade, Juan Manuel Tellategui.

diga que você já me esqueceu

“É mais aceitável esse lugar do homem com sua sexualidade, as discussões estão ampliando e desconstruindo a coisa do homem ter que ser homem, ter que meter, transar, enfim, mas parece que caminhamos para um equilíbrio de sexo e gênero e está abrandando a máscara masculina, machista”, sobre sua personagem disse Nalin Júnior.

diga que você já me esqueceu

“Duas mulheres em uma relação serão sempre atacadas pelos homens, duas mulheres juntas são sempre desacreditadas porque o homem acha que ali sempre falta alguma coisa, excita ele, mas ele não enxerga realidade, que um homem resolveria o ‘problema’ delas. O homem gay, mesmo sendo gay, ainda é mais aceito em sua condição homossexual, porque ele se protege”, Ana Clara Rotta sobre sua personagem.

A peça prende a cada quadro, revela pouco a pouco as personagens que se envolvem umas com as outras sem a menor procrastinação, é o desejo falando mais alto e a negação de questões sexuais que são jogadas ao público não apenas para pensar, mas para chocar. Vale a pena pela entrega, pela leitura social, pela luz, figurino, cenário, vale a pena só por nos fazer pensar em quem nós somos na rua e em quem nós somos dentro de casa.

Confira o convite do elenco para os usuários Hornet, inclusive para tomar uma cerveja (adoramos):

SERVIÇO:

LOCAL: Teatro Viradalata (Rua Apinajés 1387, Sumaré), 270 lugares. Acesso à deficiente.

DATA: 31/03 até 27/05 (Sábado 21h30 e Domingo 19h)

INGRESSOS: R$ 60,00 (Inteira). Aceita cartões.

USUÁRIOS HORNET PAGAM MEIA MOSTRANDO O APP NA BILHETERIA

INFORMAÇÕES: (11) 3868 2535

DURAÇÃO: 105 min

CLASSIFICAÇÃO: 14 anos