Nigéria: “reto humano não foi feito pra sexo”, diz chefe de instituição de caridade

Nigéria: “reto humano não foi feito pra sexo”, diz chefe de instituição de caridade

Be first to like this.

O chefe de uma importante instituição de caridade de direitos humanos na Nigéria afirmou que as relações entre pessoas do mesmo sexo são, moralmente, “um centímetro mais altas do que o incesto”.

Emmanuel Onwubiko, diretor executivo da Associação de Escritores de Direitos Humanos da Nigéria (HURIWA), deu uma entrevista coletiva condenando os objetivos da Anistia Internacional para 2021, que incluem tornar “as relações homossexuais legais em todos os países” e “o aborto legal em todos os países”.

Onwubiko disse que os objetivos eram uma “luta deliberada para reformular os valores africanos sobre a santidade da vida e a sacralidade da união conjugal” e que isso resultaria na “dizimação de uma verdade fundamental, que é tão clara e até conhecida por tolos inveterados, que o reto humano não é para sexo”.

Ele continuou: “A homossexualidade é um ato imoral de alto pedestal, melhor imaginado ou possivelmente praticado exclusivamente por animais. Mesmo, é avaliado um centímetro mais alto que o incesto entre parentes próximos, como irmãos e irmãs, filhos e mães ou filhas e pais”.

“Miríades de tais condutas sexuais impróprias são categorizadas entre os tabus da terra e devem ser evitadas com total desdém. [O casamento do mesmo sexo] não mostra nada além de extremismo no abuso da natureza e desconstrói ainda mais o modelo de família africana”, acrescentou.

Onwubiko também aproveitou a oportunidade para lembrar às pessoas que as relações entre pessoas do mesmo sexo são estritamente ilegais na Nigéria. O país está entre os países mais perigosos do mundo para pessoas LGBT+.

A homossexualidade é punível com até 14 anos de prisão ou pena de morte ao abrigo da lei Sharia, e mesmo a discussão sobre os direitos LGBT+ é criminalizada. No mês passado, durante o inquérito à unidade policial corrupta e brutal da SARS na Nigéria, uma vítima descreveu ter sido molestada, torturada e extorquida quando as autoridades suspeitaram que ele era gay.

Segundo o Pink News, o SARS (Special Anti Robbery Squad) foi criado em 1992 para combater roubos armados e crimes semelhantes. No entanto, a unidade rapidamente ganhou reputação por violações de direitos humanos, assassinatos ilegais e tortura, entre outras atividades ilegais ignoradas – ou pior – aceitas pelos detentores do poder .

Johnson Eze, um alfaiate do Benin, disse ao inquérito no estado de Edo que foi detido por três dias até ser forçado a pagar 100.000 nairas nigerianas (£ 200). Durante esse tempo, ele disse que foi espancado e abusado repetidamente.

Related Stories

SERÁ? Polícia encontra 30 músicas inéditas de Renato Russo
Sarah Mcbride é eleita primeira senadora transgênero dos EUA
Ativista conservadora diz a pai gay que sua sexualidade trará danos a seu filho
Luke Evans nega que voltou para o armário para ajudar sua carreira
Quantcast