Pichações homofóbicas

Pichações homofóbicas aparecem em banheiros da Uerj

Alunos LGBT da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) têm convivido com constantes ameaças homofóbicas que estão sendo pichadas nas paredes da instituição. As frases incluem ameaça de morte com forte teor homofóbico.

As mensagens que são escritas de vermelho em paredes brancas sempre aparecem assinadas com um símbolo que parece a cruz suástica, do nazismo. Os textos são parecidos em todas as ocorrências, fazendo acreditar que sejam do mesmo grupo ou pessoa, sempre condenando relações homossexuais.

Uma delas diz: “Se pegarmos viado se chupando e dando o c* cagado nessa porra, vai morrer os dois!! Outubro tá chegando!!”

Alguns registros foram feitos nos banheiros do 8º andar do campus no Maracanã e já circulam em redes sociais dos alunos. O portal de notícias G1 conversou com alunos da Uerj sobre os episódios e foi informado que os casos acontecem desde meados de 2017, estes das imagens são desta semana. Além do 8º andar, outros espaços do edifício também são alvo das manifestações de ódio.

pichações homofóbicas

Um estudante do curso de História afirmou que em seu andar, o 9º do mesmo prédio, também há pichações e que o pavimento é marcado pelo conflito de opiniões entre os cursos. “Esses casos acontecem desde meados do ano passado. O nono andar é metade do curso de Educação Física e o outro lado é o curso de História, é tipo uma ‘Faixa de Gaza’”, afirma.

“Não é nos banheiros mais embaixo onde tem circulação de várias pessoas, isso é no alto do prédio. Podem dizer que isso acontece porque pessoas de fora passam lá, mas são alunos que frequentam esses locais. Se isso acontece dentro dos muros da Uerj, os responsáveis acadêmicos da tem que estar dentro dessa responsabilidade”, disse um aluno.

Em nota, a administração respondeu que repudia qualquer manifestação de ódio e intolerância em suas dependências e diz ainda que “as pichações referidas são em paredes de dois banheiros no 8º andar do Pavilhão João Lyra Filho e serão devidamente apagadas pela equipe de manutenção”.