policiais LGBTs
policiais LGBTs

Conheça o RENOSPLGBT, a rede de policiais LGBTs que combate a homofobia em corporações de segurança

Policiais LGBTs criam o RENOSPLGBT, Rede Nacional de Operadores de Segurança, uma rede de apoio a outros policiais que sofrem assédio de todas as formas dentro de fora da corporação a fim de combater o preconceito e a homofobia em instituições como polícia, bombeiros, aeronáutica marinha, exército, ou qualquer outra instituição de segurança pública.

O RENOSPLGBT, um grupo de profissionais de segurança pública brasileiros, é uma conta na rede social Instagram que já tem milhares de seguidores e apoiadores, onde são diariamente publicados posts de profissionais LGBTs da área. São pessoas que trabalham com segurança e que não escondem sua identidade atrás da farda da corporação, combatendo o preconceito e ignorância predominante nestas instituições.

Apesar de a proposta já existir a alguns anos, o projeto só teve notoriedade quando o caso do PM Leandro Prior, que foi gravado anonimamente dentro do metrô de São Paulo beijando seu namorado, veio a público, fazendo com que Prior sofresse ameaças da população e de membros de sua corporação.

É importante que movimentos como esse surjam cada vez mais dentro de nichos corporativos para que a normalização do LGBT seja uma realidade em todos os espaços e seguir e compartilhar os posts desse grupo é, além de demonstração de apoio, uma maneira de levar mais pessoas a entender que o LGBT está presente em todas as classes trabalhadores e precisa ser respeitado.

A saber, na Europa já existe desde 2004 uma Associação de Policiais LGBTs que integra profissionais de todos os países do continente e dá apoio a estes e apura casos preconceito nas corporações, por lá algo cada vez mais raro, diga-se de passagem.

Nós do Hornet, apoiamos o RENOSP e pedimos que nossos seguidores também entrem nessa iniciativa, a fim de minimizar os danos causados a esses profissionais que, de toda forma, são os que nos protegem de crimes de ódio que vivemos diariamente nas ruas.

Comments are closed.