Projeto Amores Instantâneos
Projeto Amores Instantâneos

Projeto Amores Instantâneos combina textos com perfis de aplicativos

A partir da combinação de ícones representativos entre texto e imagens de perfis de aplicativos, em 2014 o projeto “Amores Instantâneos” surgiu sem fronteiras e em escala sempre crescente, mostrando a busca por companhia que surge por trás da grande onda de aplicativos de relacionamento.

De volta à era analógica, fotos antigas abandonadas ou esquecidas remetem de certa forma a procura observada em contemporâneos tempos. São trabalhos produzidos a partir de fotos antigas, combinadas a textos de perfis de aplicativos gravados com a rotuladora Sylvapen.

Segundo o autor Luiz Sisinno, os aplicativos trabalham com a questão da imagem – em geral uma selfie – acompanhada de uma apresentação que sintetiza o objetivo da pessoa. A associação de elementos, aparentemente, sem qualquer conexão, mas carregados de simbolismo, criam uma representação do homem que traz dentro de si ideias, pensamentos e sentimentos que vivem em conflito com a modernidade.

No levantamento dos perfis, destaca-se a presença marcante de um humor ácido e sarcástico, forte apelo sexual, agressividade, preconceito de gênero, além de grande auto critica. De algum modo todos os implicados no projeto – tanto no passado como no presente – quiseram se mostrar de uma forma especial. Os retratados no passado deram importância devida à oportunidade de se eternizar numa fotografia.

Na exposição serão apresentadas 24 colagens. Em paralelo, o artista trabalhará com algumas frases de perfis dispostas apenas de forma gráfica totalizando 30 peças. O objetivo é destacar o poder e impacto das mensagens, que retiradas do contexto do aplicativo adquirem novos significados.

“Amores Instantâneos” ocupará a galeria 1 do primeiro andar do Centro Cultural da Justiça Federal, localizado na Cinelândia, Centro do Rio de Janeiro. A abertura da exposição será no dia 23 de maio às 19h e a visitação será de 24 de maio a 15 de julho de 2018. Com entrada franca e classificação indicativa de 16 anos.