Projeto Spectra se dedica a ajudar refugiados LGBT em perigo

This post is also available in: English Español Français Türkçe

Atualmente, ser LGBT é crime em mais de 70 países ao redor do mundo. Os governos se tornaram cada vez mais hostis em relação à comunidade LGBT, com muitas pessoas enfrentando prisão, tortura e até a morte. O Oriente Médio tem sido uma região particularmente desafiadora, com prisões no Egito e no Irã. Como parte de nossa campanha #DecriminalizeLGBT, queríamos destacar o Projeto Spectra. Conversamos com o presidente do conselho, Subhi Nahas.

Nahas também foi co-fundador da primeira revista LGBT Siria, chamada Mawaleh. A revista foi usada como uma plataforma para conscientizar e educar tanto as comunidades LGBT quanto as sírias. Ele foi co-fundador de um grupo de apoio a refugiados LGBT na Turquia e organizou uma palestra semanal chamada “Tea and Talk”, onde pessoas LGBT falavam sobre seus problemas.

Nahas é um ativista destemido que trabalha para melhorar a vida das pessoas LGBT em todo o mundo.

Spectra Project

Você poderia contar brevemente sua experiência nos Estados Unidos?

Vir para os Estados Unidos foi uma das coisas mais difíceis de fazer. Eu tive que me registrar com o ACNUR e contar a eles cada detalhe da minha vida, várias vezes. Em seguida, eles me encaminharam para o representante dos EUA na Turquia, que me fez passar pelo mesmo processo de entrevista e uma entrevista final com um funcionário do DHS. O processo no total levou aproximadamente um ano até que eu fosse concedido um visto de I-94.

Por que você criou o Projeto Spectra e qual é o objetivo da organização??

Depois de chegar nos EUA, fui cercado por pessoas maravilhosas que me apoiaram a cada passo do caminho e me aceitaram como eu sou. Eles me ensinaram como amar e ser eu mesmo, algo que nunca pensei ser possível de onde eu vinha. O Projeto Spectra foi fundado para apoiar pessoas como eu e para apoiar sua transição para áreas de segurança. Além disso, eu queria que o Projeto Spectra criasse espaços seguros onde a juventude LGBT na região MENA pudesse ir sem eles enfrentam alguma discriminação e / ou ameaças.

Como os americanos reagiram a você como um imigrante gay do Oriente Médio?

Eu acho que tenho sorte porque as pessoas que conheci até agora são realmente conhecedoras e entendem a situação da qual eu venho. No entanto, às vezes, as pessoas tendem a supor que todas as pessoas da região de MENA são religiosas ou muito diferentes delas, então elas optam por não se envolver em conversas ou se afastar de mim porque é um assunto desconfortável de se discutir. No geral, sinto-me grato por todos os americanos em minha vida que tornaram minha transição duradoura tolerável e valiosa.

Como podemos ajudar a mobilizar migrantes e refugiados em todo o mundo que trabalham na questão da descriminalização LGBT?

Eu acho que conscientizando e lançando uma luz sobre as histórias das pessoas LGBT. Dando a comunidade uma plataforma para compartilhar suas histórias e tê-las traduzidos para os idiomas falados na região MENA para atingir o público máximo. Além disso, iniciar uma conversa com ativistas locais para humanizar a luta e, eventualmente, permitir que eles liderem uma campanha visando sua comunidade de imigrantes.

Como você descreveria as experiências de pessoas LGBT que vivem na região do Oriente Médio? Quais são seus maiores desafios?

Eu acho que a região MENA é muito grande para poder resumir a situação de cada país. Mas posso afirmar com certeza que algumas das principais questões que todos compartilhamos são leis que tornam a homossexualidade ilegal, falta de leis de proteção, tradições e pessoas que usam a religião como desculpa para atacar a comunidade LGBT.

Cite algumas ações específicas que as pessoas podem tomar para apoiar os esforços de ativistas LGBT em torno da questão da descriminalização.

Reconhecer que a comunidade LGBT é internacional e problemas que estão longe de nós não significa necessariamente que eles não nos afetarão. Além disso, aplicar uma lente local a cada país e trabalhar com ativistas locais para tratar de questões importantes. E não apenas tomar o que foi feito nos EUA e na Europa e aplicá-lo cegamente ao MENA ou em qualquer outro lugar.