Fotógrafo desafia ideias de masculinidade negra com toque de brilho

This post is also available in: English Español Français العربية

Fotógrafo de 20 anos do sul da Filadélfia, conhecido como Quil Lemons, publicou recentemente uma série de fotos chamada Glitterboy. O ensaio apresenta fotos de seus amigos do sexo masculino com manchas de glitter em seus rostos. Embora o projeto tenha sido inicialmente inspirado pelo clipe do Frank Ocean de 2016 “Nikes” onde o rapper bissexual aparece com glitter em seu rosto, a série de fotos de Lemons tornou-se uma exploração de como a sociedade interpreta a masculinidade negra.

Para os Lemons, a maquiagem não tem energia masculina nem energia feminina. “São apenas produtos, e a sociedade dá gênero a isso,” ele diz. “Isso é estranho”

E ele está certo. De fato, Maybelline e L’Oréal ambos recentemente contrataram assessores masculinos para suas linhas de cosméticos, prova de uma geração disposta a desafiar conceitos tradicionais de beleza masculina.

Glitterboy 01, Quil Lemons 01
Quil Lemons, image via Allure

“Eu queria causar polêmica mesmo,” Lemons diz. “A sociedade sempre se fixa nessa única imagem do que significa ser um homem negro. Devemos ser capazes de comemorar o fato de sermos femininos e apenas criaturas multifacetadas.”

Por cinco meses, Quil Lemons tirou fotos de seus amigos em frente a um fundo rosa na The New School de Nova York. Seu trabalho, agora em exibição na frente de negócios da 500px em Toronto, só veio a público dois anos depois que Moonlight tornou-se o primeiro filme mainstream a mostrar homens de cor sendo afetuosos um com o outro.

Glitterboy 04, Quil Lemons 04

Moonlight foi originalmente baseado em uma peça intitulada In Moonlight Black Boys Look Blue, mas o trabalho de Lemon mostra como na luz do sol os garotos negros parecem divinos. Cada foto mostra o eu interno resplandecente de um homem, mesmo quando seus rostos expressam tristeza ou calma.

Lemons escolheu glitter porque, ao contrário da maquiagem, você não precisa encontrar a cor certa para combinar com o tom de pele de uma pessoa. Além disso, Glitterboy só apresenta homens de cor porque Lemons sente que a sociedade não permite que eles brinquem com a expressão de gênero da mesma maneira que os homens brancos fazem.

“Sinto como se ser um cara negro é meio que como no filme Moonlight,” Lemons continua. “Você é encaixotado em estereótipos – você tem que ser um gangster, ou um macho sem sentimentos… Na verdade, não há definição do que significa ser um homem negro – você é apenas negro e pode expressar isso da forma que quiser”.

Glitterboy 05, Quil Lemons 05

Lemons não revela a orientação sexual de seus Glitterboys. Na verdade, ele pede que os espectadores questionem por que eles associam homens negros com glitter facial à homossexualidade.

Lemons diz, “Eu sinto que a masculinidade é uma espécie de prisão. Dizem-nos que existem apenas muitas maneiras de você ser masculino. Se você expressa a feminilidade ao menos, você é automaticamente percebido como gay. Não há nada de errado em ser visto como gay, mas você pode ser masculino e gay ou feminino e hetero. Agora temos mais espaço para brincar com fluidez de gênero. Tanta coisa mudou e esse projeto é uma ode a você poder ser o que quiser.”

Veja o vídeo da campanha do projeto Glitterboys:

Curtiu o ensaio e o conceito? Conta pra gente nos comentários.