Quantcast
Rótulos: por que, em 2019, ainda estamos categorizando pessoas? Escolhas do Editor

Rótulos: por que, em 2019, ainda estamos categorizando pessoas?

Written by Marcio Rolim on May 23, 2019
Be first to like this.

Rótulos. Heterossexual, masculino, convicto. Eu aceitei os rótulos de outra pessoa enquanto crescia. Mas eu certamente mudei desde então. Cresci em Kent (Inglaterra), cidade onde temos algumas das mais belas paisagens do Reino Unido. No entanto, nem todas as minhas memórias de infância incluem essa beleza natural.

Em vez disso, lembro de esconder minha identidade, com medo do que as pessoas me rotulariam. Eu escondi meu verdadeiro eu. Fingir minhas emoções foi algo que veio naturalmente. Eu poderia ser feliz no exterior, mas por dentro estava me sentindo perdido, desesperado por aceitação e confuso sobre quem eu realmente era.

Por muitos anos escolhi agir como alguém que eu achava que os outros queriam que eu fosse. Eu ansiava por normalidade, em vez de abraçar minha individualidade. Eu me tornei um especialista em ser outra pessoa. Chegou a um ponto em que eu não conseguia reconhecer onde os rótulos terminavam e minha verdadeira identidade aumentava. Eu ainda tenho uma identidade verdadeira?

Eu mergulhei de cabeça em um mundo sombrio de hedonismo. Então me assumi devagar. Apenas dizendo a um seleto grupo de pessoas. Eu tinha planejado me mudar para a Austrália por um ano e, pouco antes da minha partida, eu finalmente disse aos meus pais que eu era gay. Boa Viagem! Um peso foi tirado dos meus ombros e jogado sobre eles.

O que acontece quando você passa a maior parte da sua vida reprimindo sua sexualidade ou forçando falsas etiquetas para si mesmo? Você pode visualizar essa identidade falsa como explodir um balão. Eventualmente, a pressão vai se tornar muito alta e o balão explodirá. Isso é o que aconteceu comigo e com muitos de nós. Eu mergulhei de cabeça em um mundo sombrio de hedonismo, cheio de muita festa, bebida e drogas. Eu queria flutuar.

Por que a diferença é importante e por que um rótulo muda tanto a sua personalidade? Por que não é sobre a pessoa e não sobre o sexo, o gênero ou a raça? Ser aceito é uma coisa – mas, para ser entendido, é completamente diferente. Eu não fui capaz de me aceitar, porque nunca fui ensinado como. Eu pensei que agora estava livre, aberto e capaz de ser quem eu realmente queria ser. Mas esse não foi o caso.

Ouça “I am”, canção de Vaughan que inspirou este texto:

Todos me disseram que me aceitaram, mas eu não senti aceitação. Eu ainda andava na ponta dos pés em torno de meus amigos e familiares, nunca querendo chatear ou assustar alguém. Eu ainda estava envolvido na ideia de que “sou gay”, portanto, “sou diferente”.

Agora, cinco anos depois de me assumir gay, finalmente estou começando a me sentir como se estivesse florescendo. Estou me sentindo mais forte em quem eu sou, trabalhando para superar minha baixa autoestima e, finalmente, começando a destacar meus sucessos, e não minhas falhas.

Mas e se víssemos as pessoas como indivíduos, em vez dos rótulos que as cercam? Por que precisamos de rótulos? Alto. Baixo. Magro. Excesso de peso. A soma de todos os nossos rótulos não faz um todo e ao remover os rótulos que me foram dados ou autoinduzidos, finalmente comecei a me ver por quem realmente sou. Era como se eu tivesse limpado um espelho e pudesse finalmente ver meu próprio reflexo no vidro.

Muitas pessoas LGBTQ+ lutaram pelo direito à igualdade, que nunca deveria ser esquecido. Por isso, eu uso esse selo (LGBTQ+) com orgulho, não só por respeito a eles, mas também por lembrar que a luta pela igualdade está longe de terminar.

 

Texto original traduzido do GayStarNews, escrito pelo cantor pop Vaughan. Ouça o podcast e suas músicas no Spotify. Foto capa: Vaughan divulgação.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in