Exclusivo: Falamos com o diretor de ‘Labels’, primeira série LGBT da Colômbia

This post is also available in: English Español Türkçe العربية

No domingo, 6 de maio, o primeiro episódio da série Labels estreou no canal Telepacífico network. Como a primeira série dramática de alta qualidade de produção feita para a rede de televisão na Colômbia, ela está derrubando barreiras, e o fato de ter vários personagens LGBT torna isso ainda mais importante. Labels é exibida todos os domingos às 22h na Telepacífico e on-line toda segunda-feira em telepacifico.com/labels.

Ao longo de cinco episódios, Labels compartilha quatro histórias, das quais os protagonistas são personagens LGBT. Entre eles está a história de Verónica e Alejo. Ela é uma mulher trans apaixonada por um homem cis hétero, até que Alejo se revela homem trans e a faz repensar o que ela sempre acreditou sobre o que ‘homem’ e ‘mulher’ são.

Jeffer e Nata são amigos que testam sua amizade através de um jogo erótico, cujo resultado faz com que repensem o que sempre acreditaram sobre o amor e sobre si mesmos.

Jacóbo e Andrés são um casal com um segredo que coloca em risco o relacionamento deles. Alcides e Fabio são dois gays que se encontram casualmente uma noite, e é assim que a história deles começa.

Hornet sentou-se com o diretor da Labels, Edwin Restrepo, para saber mais sobre este projeto inovador.

HORNET: Como nasceu o projeto Labels?

EDWIN RESTREPO: O projeto nasceu inicialmente em 2011 como minha tese na universidade. Eu estudei Cinema e Comunicação Digital. Mas anos depois a apresentei aos diretores do canal Telepacífico, que estavam de acordo com as políticas públicas do governo do Valle del Cauca e com o apoio da National Television Authority, decidiram endossá-lo e levar adiante o projeto, respeitando decisões criativas de seus criadores, incluindo eu mesmo; Juan Pablo Florian, diretor de fotografia; e Andrés Loaiza, diretor adjunto.

Por que essa série é importante para a Colômbia (e para o mundo) nesse momento?

Eu acho que a lacuna cultural que existe entre os países é cada vez menor, e devemos ser consistentes com os avanços culturais e sociais que estão ocorrendo em todo o mundo. As redes sociais são uma janela muito grande para reduzir essa lacuna. A Colômbia acaba de sair de um conflito armado de mais de 50 anos e saturou a morte e a violência a várias gerações.

Neste momento histórico do país, é importante dar passos de perdão, reconciliação e acima de tudo respeito para poder construir a paz, e essas manifestações de amor e tolerância podem ajudar a construir esses laços que nos aproximam.

O que o motivou levar o projeto universitário à frente?

Parece-me que o universo LGBT e a população LGBT sempre foram estereotipados e até caricaturados no cenário nacional. Tudo isso era estranho à realidade que eu conheço há 25 anos como empreendedora da vida noturna na cidade de onde eu sou originária, Cali. É por isso que acho motivador narrar com a maior honestidade possível esse universo que conheço e dar dignidade e respeito a muitas pessoas que foram sub-representadas ou distorcidas em outras produções.

Foi fácil conseguir o “sim” nesse mercado?

O canal Telepacífico desde o início se interessou pelo projeto, pois corresponde à linha de atuação do governo do Valle del Cauca que é totalmente inclusivo em todas as suas políticas. Foi assim que foram tomadas as medidas para que a autoridade nacional de televisão desembolsasse os recursos para sua execução.

Não perca um capítulo de Labels, assista online toda segunda.

Imagem by Telepacífico