Não, uma chupada de outro cara não faz de você gay

This post is also available in: English Español Français ไทย 繁體中文

Em uma entrevista com o executivo da Bravo TV, Andy Cohen, que é abertamente gay, Carl Radke, 32 anos, membro do elenco da série de TV “Summer House”, falou sobre sua experiência sexual com outro homem (embora ele continue a se identificar como um homem hétero). Qualquer homem que se identifique como hétero depois de ter relações sexuais com um homem deve saber: receber uma chupada de um cara não o torna necessariamente gay.

No episódio mais recente de Summer House, o colega Stephen McGee, de 27 anos, disse a Radke: “Você me disse, sentado em um sofá ao meu lado, que a melhor chupada que você já teve na vida foi de um cara”.

Ele respondeu ao Cohen:

Sou um homem heterossexual – muito confiante na minha sexualidade. Stephen é realmente um dos meus primeiros amigos gays. Eu disse a ele algo – sim, eu realmente não sabia como lidar com isso, e eu fiz mais piadas do que eu deveria fazer – mas eu lhe disse informações muito particulares sobre algo que aconteceu comigo quando tinha 22 anos. Levei 10 anos para realmente abordar [com ele] e compartilhar isso com alguém.

Eu compartilhei com um dos meus amigos homossexuais, e de alguma forma isso foi permeado por outras pessoas, e aqui estou, conversando sobre isso. Honestamente, senti como se ele tivesse traído minha confiança… mas eu sou um cara heterossexual, muito confiante em mim mesmo, e, infelizmente, uma merda louca acontece às vezes.

Assista ao vídeo de Carl Radke falando com Andy Cohen sobre a tal chupada:

Sim, você pode simplesmente receber um boquete gostoso de um homem e se identificar como hétero. Isso não faz de você gay necessariamente, da mesma maneira que muitos homens dormiram com mulheres enquanto ainda se identificavam como homossexuais. Isso não significa que esse cara agora seja bissexual ou permanentemente atraído por esse gênero, e mesmo que ele fosse, vivemos dias dos rótulos sexuais restritivos – a fluidez está aí, como alguém se auto-identifica é tão importante quanto os rótulos que usamos para descrever seu comportamento.

Você concorda ou discorda? Deixe sua opinião nos comentários.

Imagem by inkret via iStock