“Tinta Bruta” e “Bixa Travesti” levam prêmio no Festival de Berlim

“Tinta Bruta” e “Bixa Travesti” levam prêmio no Festival de Berlim

Be first to like this.

O Prêmio Teddy é considerado o “Urso de Ouro LGBT” por coroar narrativas relacionadas à homoafetividade e a identidade trans, prêmio dado anualmente no Festival de Berlim, que desta vez, foi para o Brasil em dupla categoria: na ficção, venceu o drama gaúcho Tinta Bruta e na categoria documentário, quem levou foi “Bixa Travesti”.

O longa “Tinta Bruta” do Rio Grande do Sul, dirigido por Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, conta a história de Neon Boy, um rapaz que ganha a vida vendendo erotismo pela internet, mas se vê nas mãos de um imitador de seu trabalho. Já a produção de São Paulo, “Bixa Travesti” aborda performances e ativismo da cantora Linn da Quebrada.

Ao receberem o prêmio, os realizadores de “Tinta bruta” disseram:​ “Dedicamos esse prêmio à população LGBTQI do Brasil. Precisamos cuidar uns dos outros, apoiar uns aos outros, e juntos superar esse momento sombrio que vivemos. Nenhum LGBTQI ficará para trás”.

Este ano não houve indicações brasileiras diretas no festival, mas o Brasil brilhou de alguma forma em outras categorias, especialmente em mais dois vencedores na Berlinale. “Obscuro Barroco”, da cineasta grega Evangelina Kranioti, levou o Prêmio do Júri, com uma abordagem lírica das travestis do Rio de Janeiro. Já o filme Las Herederas, de Marcelo Martinessi, longa-metragem paraguaio, coproduzido pelo Brasil, narra a vida de duas mulheres homossexuais que enfrentam sérias dificuldades financeiras, tendo sido eleito o melhor pelo Júri da Crítica.

Assista ao Teaser oficial de Tinta Bruta:

Related Stories

Conheça vencedores do 26º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade
Drama brasileiro Tinta Bruta estreia pela sessão Vitrine Petrobras, confira
Confira as produções premiadas do Festival Mix Brasil 2017
Inédito “Bixa Travesti” vai brilhar no Festival de Berlim
Quantcast