Quantcast
Homem responsável pelo Gay Games na Ásia fala sobre como quer mudar o mundo Cultura

Homem responsável pelo Gay Games na Ásia fala sobre como quer mudar o mundo

Written by Daniel Villarreal on August 18, 2018
Be first to like this.

This post is also available in: English

Gay Games em Paris acabou, o que significa que os jogos internacionais gays só acontecerão agora em Hong Kong no ano de 2022. O Gay Games Hong Kong marcará a primeira vez que a Ásia receberá um campeonato desse tipo, e Dennis Philipse, Co-Presidente da equipe de licitação de Hong Kong que ganhou os direitos de sediar os Jogos de 2022, recentemente fez uma palestra sobre seu envolvimento pessoal com esportes LGBTI em Hong Kong e como os Jogos poderiam mudar toda a Ásia, e assim , o mundo.

“Organização Out” em Hong Kong

Dennis Philipse se mudou para Hong King há sete anos e imediatamente começou a namorar um cara. Quando eles se separaram três anos depois, Philipse mergulhou em velejar e caminhar, mas percebeu que não estava interessado em conhecer homens gays através de bares e apps de encontros. Então, ele procurou as ligas esportivas gays de Hong Kong.

Infelizmente, esses clubes estavam “escondidos e difíceis de acessar”, em parte porque muitas pessoas em Hong Kongg ainda sentem medo de se assumirem homossexuais. Então ele começou uma organização chamada Out em Hong Kong para ajudar os entusiastas locais de esportes LGBTI a se encontrarem.

O grupo começou como um pequeno encontro com 53 pessoas, mas agora tem cerca de 5.500 seguidores no Facebook e uma equipe de 10 voluntários organizando eventos semanais.

Com o tempo, a Philipse começou a organizar mais eventos LGBTI em Hong Kong e, em 1998, participou do Gay Games em Amsterdam.

“A missão dos Jogos Gays”, explica Philipse em seu Ted Talk, “é educar as pessoas através do esporte, no espírito de uma melhor compreensão. Todos são convidados a participar independentemente da sua orientação sexual, gênero, incapacidade física, raça ou nível.”

Dennis Philipse percebeu que os jogos nunca tinham sido realizados na Ásia e queria trazer este evento para onde ele morava. Ele espera que isso possa mudar as atitudes conservadoras da região em relação às pessoas LGBTI e, mais ainda, mudar as atitudes das pessoas LGBTI sobre elas mesmas.

Gay Games Hong Kong 03, Dennis Philipse 03, Out in Hong Kong, Out in HK
Dennis Philipse com os membros do Out em Hong Kong durante uma de suas caminhadas

Hong Kong como parte da comunidade internacional de esportes LGBTI

Mas o processo de sediar os Jogos Gays é longo, árduo, complicado e burocrático. Apresentar uma oferta de cidade-sede exige a criação de uma grande apresentação explicando como a cidade e seus locais podem administrar com segurança um festival internacional de esportes LGBTI. Philipse e seus voluntários não tinham pessoas experientes em sua equipe, nem patrocinadores nem contas bancárias para ajudar no esforço.

Nos próximos anos, Dennis Philipse e sua equipe começaram o processo de encontro com autoridades municipais, negociações com líderes de organizações, ganhando apoio para o evento.

Em um dos primeiros eventos dos simpatizantes dos Jogos Gay de Hong Kong, Philipse ficou surpreso ao encontrar 600 simpatizantes em vez dos esperados 300. Avaliadores da Federação de Jogos Gays (FGG, a organização que administra os Jogos) visitaram Hong Kong.

Hong Kong acabou por ser selecionada como potencial anfitriã dos Jogos Gay de 2022, em março de 2017, além de Guadalajara, México, e Washington, D.C.

“Nós realmente nos tornamos uma família”, diz Philipse. “Eles foram tão inspirados por Hong Kong e pela nossa comunidade. Quando nos despedimos deles no aeroporto, não teve como não chorar – foi muito emocionante”.

Gay Games Hong Kong 02, Dennis Philipse 02
Dennis Philipse discute seu papel em ajudar a criar jogos gays em Hong Kong 2022

Em outubro de 2017, Philipse e sua equipe voaram para Paris para fazer sua grande apresentação e realizar uma sessão de perguntas e respostas com 90 minutos de duração, juntamente com representantes de outras cidades anfitriãs potenciais. Mais tarde naquela noite, em um jantar de gala, o FGG anunciou que Hong Kong havia vencido e iria sediar os 2022 Jogos Gays.

Mudando a Ásia, mudando o mundo

Quando a Cathay Pacific Airways ouviu a notícia, ela se ofereceu para levar Philipse e sua equipe de volta a Hong Kong e encheram o avião com gays e pilotos lésbicas. Cada um deles disse a Philipse e sua equipe como a hospedagem dos Jogos faria com que eles se sentissem bem-vindos e reconhecidos em seu país natal pela primeira vez.

Agora, a equipe dos Jogos Gay de Hong Kong tem quatro anos para se preparar com o governo local para o evento em novembro de 2022, com uma estimativa de 15.000 atletas e mais de 40.000 espectadores esperados.

“Os Jogos Gay na Ásia são muito importantes para mim porque muitas pessoas que se sentem excluídas normalmente de outros grupos ou eventos agora têm a oportunidade e se sentem capacitadas para se envolver em um evento que é maior do que elas”, diz Philipse.

Os 40 mil atletas LGBTI que visitam de todo o mundo podem fornecer modelos positivos, ajudar a mudar as percepções culturais sobre ser LGBTI e fazer a região pensar e falar sobre as questões LGBTI de maneiras totalmente novas, diz ele.

Agora parece um momento especialmente bom para mudar as atitudes, já que a China participou pela primeira vez nos Jogos Gay de Paris em 2018, Taiwan está no caminho para legalizar a igualdade no casamento e várias cidades japonesas começam a legalizar a união entre pessoas do mesmo sexo.

Enquanto outros países asiáticos como a Indonésia ainda são anti-LGBT, os Jogos Gay de Hong Kong 2022 podem ajudar os vizinhos a mostrar à Indonésia o quanto a vida LGBTI traz para suas cidades natais.

Assista Dennis Philipse discutindo seu papel em ajudar a criar os Jogos Gay de Hong Kong:

Curte Hong Kong? Prepare passaporte e se programe para os jogos.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in