Conheça o caso que desafia as leis anti-LGBT do Quênia e pode mudar toda a África

This post is also available in: English Español Français

Dos 54 países africanos, 34 deles criminalizam sexo consensual entre pessoas do mesmo sexo, principalmente graças aos evangélicos americanos e às leis coloniais da era britânica. O Quênia, por exemplo, atualmente criminaliza o sexo gay com 14 anos de prisão, mas um caso atualmente em frente à Suprema Corte do país poderia revogar as leis anti-gay do Quênia e criar um efeito cascata para derrubar leis anti-LGBT similares em todo o continente.

O caso é uma audiência de três dias que desafia partes do código penal do Quênia que criminalizam o “conhecimento carnal de qualquer pessoa contra a ordem da natureza”, “práticas indecentes entre homens” e homens tendo “qualquer ato de indecência grosseira com outro homem”. Os opositores dessas leis dizem que contradizem a constituição do Quênia, que promete proteção universal contra a discriminação e a violência.

Hornet lançou a campanha Descriminalize LGBT em um esforço de esclarecer sobre essas leis e também para apoiar a descriminalização ao redor do mundo.

Njeri Gateru, co-fundador e chefe legal da Comissão Nacional de Direitos Humanos Gay e Lésbica do Quênia (NGLHRC), concorda que as leis devem ser revogadas. Ele perguntou ao procurador geral do Quênia o que era “conhecimento carnal contra a ordem da natureza”. O procurador-geral disse que inclui “qualquer ato sexual que não leve à procriação”.

No entanto, Gateru argumenta que incluiria “sexo oral, sexo anal, masturbação, sexo enquanto você está grávida, sexo se você não tiver um útero, sexo se sua contagem de espermatozóides for baixa”. E, no entanto, as leis do “conhecimento carnal” são usadas apenas para processar homossexuais.

De acordo com a CNN, um relatório de 2014 do parlamento do Quênia constatou que o governo queniano processou 595 casos de homossexualidade entre 2010 e 2014.

Kenya anti-gay 01
Image by AfricaImages via iStock

Além disso, a mera existência de leis anti-gay deixa cidadãos LGBT do Quênia abertos a vários abusos, incluindo assédio, agressão, despejo, rescisão ilegal e os chamados “estupros corretivos”. As vítimas LGBTQ são encorajadas a não ir à polícia, para não serem presas apenas por serem gays. Agressores anti-LGBT muitas vezes ficam impunes.

O Fórum de Profissionais Cristãos Quenianos (KCPF), um grupo religioso anti-gay, apoia as leis anti-LGBT do país, afirmando que elas refletem a vontade de um país onde 84,8% dos cidadãos se identificam como cristãos.

Um nativo gay chamado B. Maina não é otimista. Maina disse: “Nós fomos estigmatizados por tanto tempo, politicamente, socialmente, economicamente e religiosamente. A lei não está do nosso lado”.

O que você acha da possível revogação das leis anti-gay do Quênia? Comente.

 

Imagem by DMEPhotography via iStock