Onde o amor é ilegal, contar nossas histórias é a melhor arma que temos

This post is also available in: English Español

Com tantas informações rapidamente na palma de nossas mãos, algumas das quais não são confiáveis, é comum sentir-se sobrecarregado, entorpecido e perdendo a esperança de que podemos fazer algo para mudar a sociedade. O que acontece na política muitas vezes beira o absurdo e o perigoso, e além disso lidamos com o estresse econômico e a falta de energia e entusiasmo para ser proativos em nossas próprias vidas, em nosso trabalho e em nossos relacionamentos. Pouco sabemos quanto está ao nosso alcance mudar – até salvar – a vida de alguém do outro lado do mundo.

Ser visível como pessoa LGBT é um privilégio, e o ativismo é uma coisa cotidiana – atos pequenos, constantes e visíveis, não apenas saindo uma vez por ano ou demonstrando força perante o Congresso. De segurar a mão do seu parceiro nas ruas até se atrever a usar a roupa que você quer. Dia após dia, as pessoas LGBT cometem atos de bravura que pouco a pouco mudam a mente e o coração das pessoas ao nosso redor.

E se não mudarmos a mente daqueles que nos veem, pelo menos a conversa começou. Eles não podem nos ignorar, e eles não podem nos forçar a viver em segredo ou anonimato. Não mais.

“It was amazing the cruelty of guys in high school… I was alone at school and alone at home because I couldn’t tell my parents about my problems… The path of my boyhood – it was loneliness, loneliness, loneliness. It seemed to me that I was the only one in the whole world. The first time I asked God to take my life was when I was 12 years old.” Artyom is a young gay man from Russia. He survived the isolation of high school and, upon reaching university, found people who love and accept him. – Read Artyom's story shared with the #WhereLoveIsIllegal campaign, a platform for #LGBT stories of survival, at the link in our profile. At the link you can also see how to share your own experience of #discrimination and #survival and how you can support. Photo by @Hammond_Robin / @noorimages. This is a @witness_change project. For more stories of survival follow @WhereLoveIsIllegal

A post shared by Where Love Is Illegal (@whereloveisillegal) on

Tudo isso não veio do nada. Centenas de pessoas que fizeram pequenos e grandes gestos simbólicos ao longo dos anos são a razão pela qual podemos ser livres. Muitas pessoas pagaram o preço por serem pioneiras.

Continuamos perdendo vidas devido à homofobia e transfobia em muitos países, mas pelo menos – em teoria – temos em muitos casos o apoio de estados e organizações internacionais que reconhecem nossos direitos humanos. Mas os pioneiros nos 73 países onde a homossexualidade é ainda um ato criminoso enfrentam uma realidade desolada e uma perseguição iminente, legitimados por aqueles que supostamente cuidam de seu bem-estar.

Suas histórias não podem permanecer anônimas. Eles não podem ser perdidas e se permitem se tornar um número. Temos rostos, identidades e histórias, e compartilhá-las para exigir justiça é o mínimo que podemos fazer.

Onde o amor é ilegal é um projeto dedicado justamente a isso, para contar as histórias de sobrevivência de pessoas LGBT em todo o mundo. Suas contas no Instagram documentam com fotografias as histórias de sobrevivência tendo que fazer o inimaginável para evitar ser condenado por quem são.

Há muitas injustiças neste mundo, mas ser punido por existir é um claro contraste com o privilégio que muitos de nós temos vivido em países e tempos mais inclusivos. Mas o que podemos fazer sobre isso?

Em um mundo globalizado, felizmente há muitas coisas que podemos fazer. Você pode apoiar organizações como a Railroad Rainbow que está resgatando pessoas LGBT do perigo e ajudando aqueles que buscam asilo político em países europeus e no Canadá. A Amnesty International e o Human Rights Watch são duas organizações internacionais que fazem um grande lobby político e se organizam para defender os direitos LGBT e acabar com essas leis. Você pode voluntariar ou doar um valor mínimo, mas constante, para ajudá-los a continuar operando.

“We are a lesbian married couple though not recognized because in Ugandan society lesbianism is an abnormality, an outcast, a disease that needs to be cured.” For their safety they must keep their love secret. J&Q pretend to be roommates and move frequently so that neighbors don’t learn that they are in a relationship. – On this Valentine’s Day, we celebrate the resilience of love in the face of intolerance. Around the world #LGBTQI+ people are subjected to daily discrimination because of who they are or who they love. In 72 countries it can mean imprisonment or death. To read LGBTQI+ stories of survival follow @whereloveisillegal. – Read J&Q story shared with the #WhereLoveIsIllegal campaign, a platform for #LGBT stories of survival by following @whereloveisillegal. On the page you can also see how to share your own experience of #discrimination and #survival and how you can support. Photo by @hammond_robin / @noorimages. This is a @witness_change project. For more stories of survival follow @WhereLoveIsIllegal

A post shared by Where Love Is Illegal (@whereloveisillegal) on

Na América do Norte e do Sul, a maioria dos países está sob a jurisdição da Organização dos Estados Americanos e suas agências — a Corte Interamericana de Direitos Humanos — onde, se os canais legais de seu país estiverem esgotados, você pode recorrer a essas instituições. Procure pela justiça que você não obteve do seu governo.

As Nações Unidas têm um Grupo Central LGBTI e uma campanha permanente de conscientização sobre diversidade sexual chamada Free & Equal. Devemos continuar pressionando para que esses esforços tenham impacto sobre aqueles que precisam ser ouvidos com maior urgência.

Por fim, a pressão mais eficaz – além do que você pode fazer ao assinar uma petição on-line, como as da All Out — é saber para quem direcionar sua mensagem.

“In 2010 I was chased from school when they found out that I was in relationship with fellow male student. I was also disowned by my family because of my sex orientation.” Apollo is a gay activist from Uganda. Throughout his life, he has been targeted and subjected to torture. Despite all this, he still fights. “I can’t forget when I was raped in the police cell by prisoners, after all that I decided to start an organization with some campus students.” – Read Apollo's story shared with the #WhereLoveIsIllegal campaign, a platform for #LGBT stories of survival, at the link in our profile. At the link you can also see how to share your own experience of #discrimination and #survival and how you can support. Photo by @Hammond_Robin / @noorimages. This is a @witness_change project. For more stories of survival follow @WhereLoveIsIllegal

A post shared by Where Love Is Illegal (@whereloveisillegal) on

Os governantes sempre estarão procurando por nosso voto e confiança, e grupos antidireitistas como a Frente Nacional para a Família não têm medo de serem ouvidos. Saiba quem são seus deputados, senadores e ministros das Relações Exteriores. Familiarize-se com as embaixadas que representam essas 70 nações que nos criminalizam; escreva para eles, twitte, envie-lhes as histórias daqueles que precisam ser ouvidos. Vamos usar as vozes que nossos pioneiros nos concederam para continuar a abrir uma lacuna para nossa comunidade ao redor do mundo.

 

Faça parte da nossa campanha #DecriminalizeLGBT no Facebook e Twitter.

 

Imagem by Robin Hammond for Where Love Is Illegal