Onde o amor é ilegal, contar nossas histórias é a melhor arma que temos

Onde o amor é ilegal, contar nossas histórias é a melhor arma que temos

Be first to like this.

This post is also available in: English Español

Com tantas informações rapidamente na palma de nossas mãos, algumas das quais não são confiáveis, é comum sentir-se sobrecarregado, entorpecido e perdendo a esperança de que podemos fazer algo para mudar a sociedade. O que acontece na política muitas vezes beira o absurdo e o perigoso, e além disso lidamos com o estresse econômico e a falta de energia e entusiasmo para ser proativos em nossas próprias vidas, em nosso trabalho e em nossos relacionamentos. Pouco sabemos quanto está ao nosso alcance mudar – até salvar – a vida de alguém do outro lado do mundo.

Ser visível como pessoa LGBT é um privilégio, e o ativismo é uma coisa cotidiana – atos pequenos, constantes e visíveis, não apenas saindo uma vez por ano ou demonstrando força perante o Congresso. De segurar a mão do seu parceiro nas ruas até se atrever a usar a roupa que você quer. Dia após dia, as pessoas LGBT cometem atos de bravura que pouco a pouco mudam a mente e o coração das pessoas ao nosso redor.

E se não mudarmos a mente daqueles que nos veem, pelo menos a conversa começou. Eles não podem nos ignorar, e eles não podem nos forçar a viver em segredo ou anonimato. Não mais.

Related Stories

Estudo nega evidência de coronavírus no sêmen de homens com covid-19
Boy X Paizão: até que ponto a relação “sugar” pode ser saudável ao homem gay mais velho
Obsessão da comunidade gay por status e aparência tem custos à saúde mental
Live DragCon de RuPaul rola neste fim de semana e você pode assistir pelo Hornet
Quantcast