Como lidar com homofobia quando ela vem de uma organização de direitos humanos?

This post is also available in: English Español Français ไทย 繁體中文

Esta história de homofobia dentro de uma organização de direitos humanos é uma contribuição de um usuário de Hornet através de nossa plataforma. Você também pode contribuir com histórias para o Hornet. Clique aqui para mais informações.

O sistema legal do Paquistão é uma mistura de leis do período colonial e da lei da Sharia. Infelizmente, as pessoas LGBT são uma das populações mais vulneráveis, pois a discriminação sancionada pelo Estado causa um ambiente de medo, perseguição e marginalização. Embora o Paquistão seja signatário de muitos tratados e convenções sobre direitos humanos, o governo os ignora e nem sequer os ratificou.

Eu tinha apenas 15 anos quando fui atacado pela primeira vez por causa da minha orientação sexual. Foi então que prometi a mim mesmo que não seria uma vítima. Eu seria um lutador, trabalhando para ajudar outras pessoas marginalizadas ao meu redor.

Depois de concluir meus estudos, fui trabalhar com organizações de direitos humanos, com foco em saúde sexual e direitos LGBT. Fiz meu nome como um jovem líder de direitos humanos, trabalhando com diferentes organizações internacionais por mais de quatro anos.

pakistan homophobia inline human rights organization

No ano passado, participei de um projeto de intercâmbio cultural de quatro meses com uma organização bem conhecida que trabalha em muitos países. Embora o núcleo da organização seja baseado em voluntariado, com minha experiência fui selecionado para liderar o grupo planejando um Projeto de Ação Social (ou SAP) sobre a paz e ajudando diferentes comunidades a se unirem.

Mas logo percebi que a organização não era nem um pouco amiga do LGBT. Eu estava constantemente ouvindo comentários homofóbicos. Até mesmo o gerente sênior do programa perguntou por que os voluntários LGBT foram admitidos no SAP.

Um dia recebi uma gravação de meus colegas – que se chamam de “promotores da paz” – fazendo comentários extremistas sobre a comunidade LGBT. Eu estava totalmente de coração partido. Quando compartilhei essa gravação com uma superiora, ela escreveu minha história e prometeu que iria denunciá-la à gerência sênior.

pakistan homophobia inline 2 human rights organization

Mas, em vez de abordar a questão, eles ficaram do lado dos meus colegas. Eles começaram a me assediar e fazer constantes perguntas sobre meu caráter, minha religião e as leis anti-LGBT no Paquistão, apesar de organizações não-governamentais serem supostamente não-políticas e não-religiosas. Eles também removeram voluntários transexuais da SAP sem dar uma razão.

A experiência foi um pesadelo. Eu estava traumatizado. Tomei um número excessivo de antidepressivos. Eu me senti isolado e temia pela minha segurança física. Eestava preocupado que os comentários em breve se transformassem em violência.

Um dos meus colegas acabou se sentindo culpado e me enviou um e-mail explicando as coisas. Embora eu não tenha obtido justiça no escritório do Paquistão, estou planejando levar isso para o escritório regional da organização em Bangcoc – e se eu não conseguir justiça lá, levo para a sede no Reino Unido. Eu só espero que eles não sejam homofóbicos também.

Como parte de nossa campanha #DecriminalizeLGBT em andamento, o Hornet está destacando as experiências daqueles impactados por tais leis. As pessoas LGBT são criminalizadas em mais de 70 países ao redor do mundo. Os governos se tornaram cada vez mais hostis em relação à comunidade LGBT, e pessoas foram presas, torturadas e assassinadas. A luta pelos direitos LGBT é uma luta contínua, mas através do ativismo, organização e manifestação, teremos sucesso.

Hornet está trabalhando em colaboração com MSMGF para buscar várias histórias de nossas comunidades. O MSMGF tem sido um líder na luta contra essas leis, particularmente no que diz respeito à saúde dos homossexuais masculinos.