Pangina Heals, apresentadora do ‘Drag Race Tailândia’ diz: ‘Há uma grande diferença entre mim e Michelle Visage’

This post is also available in: English Español Français ไทย 繁體中文 Українська

São 3 da manhã em Bancoque e Pangina Heals – apresentadora da próxima Drag Race Tailândia – acabou de terminar uma noite bastante longa. Eu esperava entrevistá-la na sala principal do programa, mas, após o show da noite, ele tirou a maquiagem e ficou deitada na cama sem a webcam. Ele é um homem meio tailandês, meio taiwanês, que é fofo e não faz drag – infantil com lábios de coral cheios, grandes olhos castanhos e uma tatuagem que diz “Esforce-se”. Ele estava um pouco bêbado.

Peço que ele se apresente.

“Quem sou eu? Pergunto a mim mesmo todos os dias!” ele diz. “Meu nome é Pangina Heals”.

A conversa em breve avança para a popularidade da RuPaul’s Drag Race na Tailândia. É um programa que mudou a vida de inúmeras pessoas, diz ele. A série trouxe sozinha o drag para o mainstream e permitiu que os artistas – como ele – fossem exibidos como artistas e afirmados em todo o mundo.

Em alguns lugares ao redor do globo, diz Pangina Heals, as pessoas ainda pensam em drag como uma forma de perversão, nascida do desejo de um cara de se tornar uma mulher. Mas agora, ele diz: “As pessoas estão entendendo que ser drag não é sobre sexo ou gênero, mas sobre desempenho e fazer outras pessoas felizes”.

Mas Pangina Heals insiste que a maioria dos espectadores da Drag Race não se importa se um artista é masculino ou feminino. Não é sobre isso. É sobre rir e ser quem quiser. Ponto final.

Pangina Heals 32
Pangina Heals out of drag

Conversamos sobre a percepção por aqueles que estão fora da Tailândia que fazem drag no país asiático não são senão “meninos” – homens jovens que se vestem como mulheres para seduzir homens heterossexuais.

“Você não pode mais fazer uma generalização sobre qualquer coisa na vida”, diz Pangina Heals. “Mas os povos tailandeses estão realmente aceitando garotas transexuais, especialmente com a popularização dos shows da Miss Tiffany.” (Esse concurso de beleza anual para mulheres trans-tailandesas é realizado a cada maio.)

“Você não pode mais fazer uma generalização sobre qualquer coisa na vida”, diz Pangina Heals. “Mas os povos tailandeses estão realmente aceitando garotas transexuais, especialmente com a popularização do Miss Tiffany.” (Um concurso de beleza trans feminino anual que ocorre em maio).

As mulheres trans são consideradas mulheres na Tailândia, diz ele. “Eu me consideraria sob o mesmo guarda-chuva, mas não sou o mesmo. Não há uma palavra tailandesa para drag queens, então nós as chamamos de ‘drag queens’, você sabe?”

Pangina Heals 01

Quando perguntado sobre as diferenças entre as drags americanas e as tailandesas, Pangina Heals diz: “Eu acho que a drag em geral é ser criativa, saber sobre arte e poder expressar quem somos. E assim vem cultura e individualidade”.

Se o Drag Race Tailândia conseguir alcançar a metade da resposta que seu progenitor americano recebeu ao longo dos anos, a série poderá se tornar ainda mais um fenômeno mundial. Então, como a Pangina Heals se tornou apresentadora da nova série?

“Eu chupei um monte de pau”, ele responde, brincando (acreditamos).

BMas a verdade é que Pangina Heals é provavelmente a mais famosa drag queen em toda a Tailândia. Ele é um auto-promotor implacável que ganhou a primeira competição de resistência à TV da Tailândia – chamada T Battle – e também competiu na Tailândia Dance Now e Lip Sync Battle Thailand, dois outros programas bem conhecidos tailandeses. Ele também organiza festas semanais no bar de Bangko Maggie Choo’s.

Como apresentadora do Drag Race Tailândia, Pangina Heals entra nos saltos (literais) de Michelle Visage, uma amiga de longa data de RuPaul, que na série americana pode ser uma luz no painel dos juízes. Mas Heals diz que seus seios não são tecnicamente grandes o suficiente para se qualificar como a versão tailandesa de Michelle Visage.

O papel de Pangina Heals na Drag Race Thailand será o oposto da artista e designer de moda Art Arya, alguém com quem ele diz ter um excelente vínculo. Ele prevê que seu relacionamento no programa virá como “mais irmão” do que o que vemos entre RuPaul e Visage na série americana. “Mas, obviamente, eu sou uma cadela julgadora”.

Pangina Heals 03

Quando perguntou a quantas meninas concorrentes ele criticou durante a filmagem – quantas drags Pangina Heals fez chegar às lágrimas durante a 1ª temporada – ele diz que, enquanto ele tentava ser construtivo e não apenas dizer coisas ruins, “elas estão sob muito estresse e pressão, então obviamente elas choram. Mas eu também choro”.

“Você tem que entender”, diz ele, “quando Alyssa Edwards diz: “Não é pessoal “, eu discordo completamente, porque fazer drag é pessoal. É basicamente quem você é, e às vezes é uma fuga do mundo. E neste mundo gay muito julgador, às vezes, quando você entra, você se torna a melhor versão de você. E quando essa versão de você é atacada, é claro que você vai se sentir negativo e não ficará bem”.

A Pangina Heals está contratualmente obrigada a não revelar nada da gravação da temporada, então as perguntas sobre coisas como a coisa mais louca que acontece no set foram eliminadas. Em vez disso, pergunto o que aprendeu durante a filmagem.

Pangina Heals 85

“Você não tem ideia do que é sentar lá e julgar as pessoas que lutam por seu futuro e lutando por suas esperanças e seus sonhos e basicamente lutando pela sobrevivência”, diz ele. “É tão impactante, e não esperava isso. Na primeira semana eu estava meio chorando, mas não mostrei nenhuma emoção porque era muito difícil de digerir”.

“Sinto que trabalhamos tão arduamente na filmagem e no processo deste programa que a pirataria não deve ser permitida”, ele diz, “devemos apoiar esses artistas… mas pornografia sim, a única exceção para pirataria” (diz aos risos).

 

Acompanhe toda a cobertura dessa primeira temporada com o Hornet.