Shopping pagará indenização a lésbicas por impedi-las de darem selinho no local

Shopping pagará indenização a lésbicas por impedi-las de darem selinho no local

Be first to like this.

Shopping pagará indenização a lésbicas impedidas de darem selinho nas dependências do empreendimento. A justiça de São Paulo condenou o Shopping Metrô Tucuruvi a indenizar um casal de lésbicas que foi impedido por um segurança do shopping de dar um selinho dentro das dependências do local. O caso foi exposto no Facebook por Bruno Ruiz Segantini, um amigo de Marjorie e Thamires.

O casal caminhava pelo estabelecimento quando trocaram o selinho, assim como qualquer outro casal hétero. Foi então que um segurança as abordou e exigiu que as duas não fizessem aquilo ali. Indignadas com a atitude preconceituosa do rapaz, elas entraram com um processo contra o shopping.

LEIA TAMBÉMGays tendem mais a envelhecer solteiros que lésbicas, revela pesquisa

Segundo o site A Capa, o juiz deu parecer favorável às reclamantes e pediu ao shopping o valor de uma indenização sem prejuízo de apuração criminal. O valor da sentença não foi revelado. Por ter tramitado em julgamento, a decisão não cabe mais recursos.

O shopping pagará indenização e não tem direito à recorrer da decisão. “De fato, as autoras, foram expostas a situação vexatória, em público, simplesmente por conta da sua orientação sexual, sendo presumíveis a dor, humilhação, frustração e raiva que sentiram, situação que ultrapassa, e muito, o mero aborrecimento”, disse o juiz na conclusão do veredicto.

O autor da notícia sobre a condenação foi Bruno Ruiz Segantini, que destaca que “Homofobia deverá ser crime hora ou outra. Enquanto isso, fica o aviso ao Shopping: sua homofobia não vale mais que nossa liberdade”.

Foto: Facebook

Related Stories

Supermercado Makro obriga funcionária lésbica a usar banheiro masculino
Shopping na Paraíba barra entrada de drags. Veja vídeo.
Casal gay acusa organização de festa de impedir entrada por homofobia
Justiça inocenta Jean Wyllys por ter chamado Bolsonaro de “fascista”, “burro” e “corrupto”
Quantcast