Mestre dos quadrinhos Stan Lee escreveu ensaio sobre racismo e ódio

This post is also available in: English Español Français

Aqueles de nós que foram leitores da Marvel Comics nos meados dos anos de 1960 estão familiarizados com uma coluna mensal curta e doce escrita por Stan Lee por décadas. Com a perda do Marvel Comics aos 95, as pessoas foram foram às suas redes sociais compartilhar algumas de suas mais pungentes palavras. Quando nos deparamos com o ensaio abaixo de 1968, sentimos que era mais do que apropriado para esta homenagem.

Este ensaio de Stan Lee, que é sobre os “males insidiosos” do fanatismo e do racismo, foi escrito no auge do Movimento dos Direitos Civis dos EUA, o ano em que Martin Luther King, Jr. levou um tiro e foi morto em Memphis, Tennessee. Também o ano em que o Ato dos Direitos Civis foi assinado.

Leitores de quadrinhos X-Men em particular – um dos muitos times de super-heróis criados por Stan Lee e amplamente considerados os mais progressivos de todos os títulos de quadrinhos – estão bem familiarizados com o tema da franquia de combater a discriminação, o ódio e o medo.

As pessoas há muito tempo compararam a luta dos “mutantes” dos X-Men com o movimento pelos direitos civis LGBT, já que há uma linha clara que liga os dois. No início dos anos 90, os X-Men enfrentaram uma doença mortal chamada Vírus Legado, que faz comparações com a epidemia do HIV.

Veja o artigo original de Lee publicado em 1968 em sua coluna mensal:

stan lee essay image

Fanatismo e racismo estão entre os mais graves males sociais que assolam o mundo hoje. Mas, ao contrário de uma equipe de super-vilões fantasiados, eles não podem ser interrompidos com um soco ou uma arma de raios.

A única maneira de destruí-los é expondo-os – para revelá-los pelos males insidiosos que realmente são. O fanático é um odiador irracional – alguém que odeia fica cego, fanático, indiscriminadamente.

Se o seu problema é com negros, é negros, ele odeia TODOS os homens negros. Se um ruivo uma vez o ofendeu, ele odeia TODOS os ruivos. Se algum estrangeiro o venceu em uma vaga de emprego, ele odeia TODOS os estrangeiros. Ele odeia pessoas que ele nunca viu – pessoas que ele nunca conheceu – com igual intensidade – com igual veneno.

Não estamos tentando dizer que não é razoável para um ser humano incomodar o outro. Mas, embora qualquer pessoa tenha o direito de não gostar de outro indivíduo, é totalmente irracional, patentemente insano condenar toda uma raça – desprezar uma nação inteira – para aviltar uma religião inteira.

Mais cedo ou mais tarde, devemos aprender a julgar uns aos outros por nossos próprios méritos. Mais cedo ou mais tarde, se o homem quiser ser digno de seu destino, devemos preencher os corações com tolerância.

Pois então, e somente então, seremos realmente dignos do conceito de que o homem foi criado à imagem de Deus – um Deus que nos chama TODOS de seus filhos.

Pax et Justitia,

Stan Lee

Gostou do artigo de Stan Lee sobre racismo? Deixe um comentário.