Vício em sexo se torna oficialmente doença mental, mas isso é bom?

This post is also available in: English Español Français ไทย

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o vício em sexo como condição de saúde mental na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11), ferramenta da OMS para diagnosticar, administrar e tratar diferentes transtornos físicos e mentais. A notícia é do The New York Post que dizia, “O comportamento sexual compulsivo foi classificado como uma doença mental pela primeira vez ”, mas isso não é exatamente verdade. Então, vamos dar uma olhada mais de perto em como a definição de vício em sexo da OMS e como ela difere dos diagnósticos psico-sexuais anteriores.

O que é vício em sexo?

A OMS define o vício em sexo como um “padrão persistente de falha no controle de impulsos sexuais repetitivos e intensos ou impulsos que resultam em um comportamento sexual repetitivo”.

Conselheiros sobre abuso de substâncias concordam que o vício não é definido pela frequência com que você faz algo, mas sim pela sua interferência em sua vida pessoal. Como tal, a OMS afirma que o sintoma-chave de um vício em sexo é quando uma pessoa faz do sexo seu “foco central”, muitas vezes às custas da própria saúde, cuidados pessoais, interesses e responsabilidades.

Além disso, a OMS diz que, para que o comportamento sexual de alguém se qualifique como um “vício”, seus comportamentos associados devem persistir por seis meses ou mais e também deixar a pessoa “angustiada” em suas vidas pessoais.

A Dra. Valerie Voon do Royal College of Psychiatrists, disse que estima-se que entre três e seis por cento dos adultos americanos sofrem de dependência sexual.

sex addiction 02

O sexo excessivo já foi listado como uma doença mental antes

Embora o vício em sexo não esteja listado oficialmente no Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria (DSM), o DSM tem uma lista de “Transtorno Sexual Sem Outra Especificação” que pode ser usado como diagnóstico de alguém que já teve uma sucessão de parceiros sexuais que são vistos como pouco mais que objetos.

Até mesmo as iterações do CDI da OMS tiveram diagnósticos de “Excesso de Propulsão Sexual” como “disfunção sexual não devida a uma substância ou condição fisiológica conhecida” e “masturbação excessiva” como “outro distúrbio comportamental e emocional com início habitualmente em infância e adolescência.”

Algumas pessoas se preocupam que rotular o vício em sexo como uma doença mental possa estigmatizar pessoas com alta libido ou promover uma auto-defesa para adúlteros e promíscuos: “Não é minha culpa – eu sou viciado em sexo.”

Mas todos os vícios têm razões psicológicas subjacentes. Um profissional de saúde mental habilidoso deve ser capaz de tratar o comportamento sexual compulsivo de um cliente sem envergonhar ou tratar o desejo sexual de uma pessoa como um problema em si mesmo.

O que você acha do novo diagnóstico de dependência sexual da Organização Mundial da Saúde?