Saiba por que não veremos representação LGBTI significativa nos cinemas

This post is also available in: English

Essa semana o GLAAD soltou seu Índice de Responsabilidade de Produção, um relatório classificando os sete principais estúdios de Hollywood sobre a representação LGBTI. Os resultados não foram bons – na verdade, eles foram os mais baixos desde 2012, com inúmeros estúdios recebendo notas fracassadas.

Mesmo em tempos de “Com amo, Simon e Me chame pelo seu nome, as notícias não são boas.

“Apesar de filmes bons neste ano como estes citados e Deadpool 2 não foi suficiente para elevar os números. Os estúdios ainda precisam fazer mais para garantir que as histórias e os personagens LGBTI sejam incluídos de maneira justa e precisa”, diz Megan Townsend, diretora de análise e pesquisa de entretenimento da GLAAD. “Esperamos que esses filmes sejam o começo de uma tendência ascendente de progresso sustentado, e não apenas um pontinho no radar do próximo ano.”

LGBT Representation in blockbusters
Dumbledore from ‘Harry Potter’

Por que a representação LGBT, quase onipresente na televisão convencional, nas histórias em quadrinhos e em outros cantos da cultura pop, é tão notavelmente ausente dos filmes bluckbusters? Certamente graças ao sucesso de franquias como O Senhor dos Anéis, Harry Potter aeX-Men e a ascensão de um mercado global de entretenimento.

Os universos cinematográficos pré-fabricados oferecem personagens estabelecidos, spinoffs lucrativos e inúmeras oportunidades de mercadorias. Eles também confiam mais em chiados e efeitos do que enredo e diálogo e se alastram notavelmente bem nos mercados internacionais. E isso é fundamental.

Hoje, o sucesso de um blockbuster tem mais a ver com a forma como é exibido em lugares como Pyeongchang e Peoria: Velozes e Furiosos arrecadou quase US $ 400 milhões de bilheteria global de US$ 1,2 bilhão só na China. Mais que a metade do total de Pantera Negra  veio do mercado estrangeiro.

Embora isso seja ótimo para os lucros, significa que as histórias e os personagens precisam passar na Indonésia, Rússia, China e outros países com registros de silenciamento de vozes LGBTI. Não é ignorância ou intolerância impedir a Fox de nos dar um Homem de Gelo gay. É medo.

Considere a China, um dos mercados de filmes que mais crescem no mundo. Representações da homossexualidade são banidas da televisão e dos serviços de streaming e fortemente censuradas nos filmes: um breve beijo do mesmo sexo foi cortado de Alien: Covenant e o Me chame pelo seu nome, indicado ao Oscar, foi arrancado do Festival Internacional de Cinema de Pequim no início desta primavera.

queer characters family films LGBT Representation in blockbusters
LeFou from ‘Beauty and the Beast’

Até mesmo conteúdo com códigos gays pode fazer uma movimentação negativa: o live de A Bela e a Fera foi banido no Kuwait e na Malásia (e um em um cinema formato drive-in no Alabama) em um piscar de olhos e você vai sentir falta de cena de LeFou dançando com outro homem.

Às vezes, não é apenas uma questão de não incorporar personagens LGBTI, mas de apagar ativamente os personagens: Tessa Thompson que fez Valkyrie em Thor: Ragnarok como sendo gay, disse, que foi porque o personagem é bissexual nos quadrinhos originais da Marvel. Mas a cena de uma mulher saindo do quarto de Valkyrie foi cortada pelo diretor Taika Waititi, então não “distrairia a exposição vital da cena”.

Certo.

Essa observação veio dois anos depois que o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, afirmou que “não há motivo” para que não houvesse um personagem LGBTI abertamente na MCU “na próxima década ou antes”.

queer characters in deadpool yukio negasonic teenage warhead LGBT Representation in blockbusters
Yukio and Negasonic Teenage Warhead from ‘Deadpool 2’

Não prenda a respiração, espectadores. O Deadpool 2 era um outlier – um filme não classificado para crianças. (E ainda há todas as chances de censores estrangeiros redobrarem o diálogo de Negasonic Teenage Warhead ou cortá-la completamente do filme.) Bilheterias bilionárias e franquias de multi-filmes são a norma agora, e a Disney e a Warner Bros estão com medo de perder um único dólar para um boicote com foco na família.

Mas, como empresas, os estúdios querem apoiar a comunidade LGBTI (e continuar desfrutando de nosso patrocínio). Então, temos a versão de Hollywood de “Don´t Ask Don´t Tell”, em que atores e diretores são livres para discutir subtexto LGBTI em filmes com Mulher Maravilha Star Wars: o despertar da forçadesde que seja como subtexto.

Os espectadores LGBTI, no entanto, estão finalmente dizendo um”basta” para essas migalhas.

“Pessoalmente, não gosto de comemorar recados como grandes ou mesmo pequenas vitórias,” twitou Stevie Mat do relacionamento da Negasonic em Deadpool 2. “Nos deram um brinde. É um bom prêmio de consolação, mas estou cansado de níveis tão baixos de representação.

Tanto Donald Glover quanto o roteirista Jonathan Kasdan descreveram Lando Calrissian como “pansexual” no próximo filme. “Eu sinto que se você está no espaço é como se a porta estivesse aberta! Não são apenas apenas rapazes ou garotas. Não, é qualquer coisa”, disse Glover ao EW. “Essa coisa é literalmente uma bolha. Você é um homem ou uma mulher? Tipo, quem se importa?

Lando Calrissian pansexual 01, Lando Calrissian 02 LGBT Representation in blockbusters
Lando Calrissian in ‘Solo’

Glover habilmente abraça uma identidade panorâmica enquanto a rejeita com uma resposta “qualquer coisa que se mova”. E sua orientação é apenas vagamente sugerida na tela quando Lando diz a Han para “apertar os cintos, baby”.

Precisamos parar de bajular, informar, twittar e enviar todas as insinuações e examinar a representação da mesma forma que faríamos para raça ou gênero. Enquanto aceitarmos insinuações e assentimentos timidamente, é só isso que teremos: John Boyega e Oscar Isaac brincando. Um Dumbledore que saiu postumamente nas notas de rodapé. Diretor de guardiões da galáxia James Gunn dizendo “there are probably gay characters in the Marvel Universe, you know, we just do not know who they are yet”.

Se quisermos personagens LGBTI no universo de Star Wars, temos que nos conformar com robôs? É um insulto. E esperamos que a geração mais nova, criada com pessoas LGBTI em todos os aspectos de suas vidas, não aceite mais.

O que você acha da representação de pessoas LGBTI no universo dos filmes blockbusters? Deixe um comentário.

(Visited 49 times, 1 visits today)