Quantcast
Ativistas formam bandeira do arco-íris na frente das autoridades russas durante a Copa Escolhas do Editor

Ativistas formam bandeira do arco-íris na frente das autoridades russas durante a Copa

Written by Ricardo Peralta on July 14, 2018
Be first to like this.

This post is also available in: English Español Français ไทย

Atualmente a Rússia é a sede da vigésima primeira edição da Copa Mundial de Futebol organizado pela FIFA (Federação Internacional da Associação de Futebol). É também um país que proíbe qualquer exibição pública de “propaganda gay” e que tem ignorado uma violenta caça anti-gay na Chechênia (região semiautônoma da Rússia) com mais de um ano de relatos contínuos de sequestro, tortura e assassinatos.

Enquanto a Rússia e a Chechênia negam a existência de uma caça anti-gay, a história de refugiados Chechenos vieram à luz mostrando a horrível realidade de nossos irmãos LGBTI na região.

Este ano a Federação Estatal de Lésbicas, gays, trans e bisexuais (associação espanhola), tomou medidas para chamar o protesto no país, com uma iniciativa conhecida como The Hidden Flag. Esta iniciativa levou 6 ativistas de 6 países diferentes a formar uma bandeira de arco-íris com as camisas de equipe de cada país.

Ativistas usaram camisetas da Espanha, Holanda, Brasil, México, Argentina e Colômbia, publicado em vários sites russos formando uma bandeira humana do arco-íris. Marta Márquez (Espanha), Eric Houter (Holanda), Eloi Pierozan Junior (Brasil), Guillermo León (México), Vanesa Paola Ferrario (Argentina) e Mateo Fernández Gómez (Colômbia) são os ativistas que participaram da iniciativa Hidden Flag.

“Tornar-se visível é sempre um risco, mas fazê-lo com milhares de fãs e fãs da Copa do Mundo e da imprensa observando é o que nos motivou a realizar o protesto originalmente”, disse Uge Sangil, presidente da FELGTB.

Um dos propósitos da campanha #HiddenFlag é dar visibilidade a todas as pessoas que vivem na Rússia e que enfrentam discriminação. É também uma mensagem de apoio sutil de ativistas em países onde os direitos LGBTI progrediram. É uma maneira de falar em código com nossos irmãos LGBTI russos e deixá-los saber que estamos com eles.

A ideia da FELGTB de levar o Pride e celebrá-lo nesta época da Copa do Mundo, exigiu coragem por parte dos participantes, porque a FARE (Rede Anti-Discriminação da FIFA) advertiu turistas LGBT que evitassem manifestações públicas de afeto ou fizesse propaganda gay. Esse aviso provocou várias comoções no mundo todo, mas também deixou satisfação e empatia em cada um dos ativistas.

Atualização: O ativista colombiano do The Hidden Flag, Mateo Fernández, foi preso pelas autoridades russas por 15 horas quando tentou voltar para casa. De acordo com o Gay Star News, Fernandez não foi informado por que ele estava sendo detido. Ele disse que acha que pode ser porque é colombiano ou porque a polícia russa soube do protesto da Bandeira Oculta. Ele foi libertado às 5 da manhã e na segunda-feira já estava em Amsterdã.

O que achou da iniciativa The Hidden Flag? Clique aqui para compartilhar este artigo.

Imagem por The Hidden Flag.

Read more stories by just signing up

or Download the App to read the latest stories

Already a member? Log in
Português
  • English
  • Français
  • Español
  • ไทย
  • 繁體中文